Início  Fale Conosco!  Mapa do Site          Facebook  Blog Salve Rainha  Youtube  Google Plus +Dermeval Neves  Twitter
  NPDBRASIL - ARTE EM FAZER AMIGOS! QUE DEUS TE ABENÇOE SEMPRE! PAZ! ALEGRIA! AMOR! SAÚDE! AMIZADE! RIQUEZA! TUDO DE BOM PARA VOCÊ E FAMÍLIA! Português-Idioma Original do site  English - Please, use the translator below!
 
Ouvir Música
 
Religião Arte e Cultura Treinamento Web Rádio e TV Guia de Compras Busca NPD-Google Contato

SEJA MEMBRO DA COMUNIDADE NPDBRASIL E AJUDE A RESGATAR VIDAS - CLIQUE AQUI

 
 
Pesquisa Google - NPDBRASIL
Pesquisa personalizada

MENSAGENS DE MOTIVAÇÃO


MENSAGENS NESTA PÁGINA

A PARTE CHEIA DO CÁLICE CHAMADO BRASIL - Luiz Marins, Ph. D
AMBIÇÃO
COMO VENDER SUA COMPETÊNCIA
CRIE, INOVE OU EVAPORE...



A PARTE CHEIA DO CÁLICE CHAMADO BRASIL
Luiz Marins, Ph.D.
(Artigo escrito em novembro de 2000)

Afinal que Brasil é este? O que está realmente acontecendo com o Brasil? Afinal por que estão as maiores empresas americanas e européias afirmando que seu maior portfólio de investimentos para os próximos 10-15 anos será nesta região do mundo? Será que viraram devotos de NS Aparecida do dia para a noite?

Acredito que seja o momento de passarmos de uma consciência ingênua para uma consciência crítica sobre o momento atual brasileiro. Nos corredores do Fórum Econômico Mundial em Davos os ministros e autoridades declaravam sua intenção de investir no Brasil nos próximos anos o que nunca haviam pensado. Afinal que mercado é este?

Vejo jovens confusos sobre o Brasil. Os jornais mostram a desgraça, o estupro, as balas perdidas... e esse pessoal continua vindo para o Brasil? As empresas espanholas e portuguesas acabam sendo maiores aqui do que na pópria Espanha e Portugal e assim por diante. Acho que está na hora de explicar o Brasil com dados – dados de pesquisa – dados sérios, em vez do "chutômetro" aplicado a todo o momento para nos confundir.

Um exemplo digno é o divulgado em abril deste ano, nos 500 anos do Brasil. Todos os jornais estamparam para o mundo todo que éramos 5 milhões de índios no Brasil em 1500. Ora, se há dúvidas de quantas pessoas exatamente vieram nas caravelas em 1500, como é que sabemos que éramos 5 milhões de índios em 1500 no Brasil? Quem contou? Qual o IBGE da época ou GPS que mediu os 5 milhões? Algum louco, com base em especulações referentes à mortalidade infringida pelos espanhóis no México, chegou à conclusão absolutamente absurda de que éramos 5 milhões e isso virou "verdade"! E assim logo dizemos que temos 120.000 desabrigados nas ruas de São Paulo, 45 milhões de miseráveis, etc., etc. Até quando seremos obrigados a engolir essas verdadeiras barbaridades?

Para passarmos de uma consciência ingênua para uma consciência crítica e compreendermos o que está acontecendo, temos que saber que o mundo tem o que se chama de "mercados maduros". "Mercado maduro" é o mercado em que o crescimento do consumo é equivalente ao incremento vegetativo da população – ou seja – se a população cresce aumenta o consumo. Se não cresce o consumo continua estático. Assim o consumo de cerveja nos EUA, por exemplo, cresceu 2% acumulado nos últimos 5 anos e deverá crescer apenas 2% nos próximos cinco anos. No Japão 35 prefeituras exigem um atestado que diga que você tem onde colocar seu carro para que um concessionário possa vender um automóvel novo a você – problema de espaço vital. O consumo de biscoitos na Inglaterra não cresce há dez anos. Esses mercados maduros – EUA, Europa e Japão – onde se encontram as empresas igualmente maduras – IBM, Toyota, Electrolux, etc. – precisam de mercados emergentes – onde o crescimento do consumo seja maior do que o incremento vegetativo da população.

Quais são esses maiores mercados hoje no mundo? Brasil, Índia e China. Mas não nos iludamos muito com a China. A China tem 76% de sua população em campesinato. A Índia 72% e o Brasil apenas 22%. Assim, o país pronto para consumir produtos ocidentais de alguma tecnologia que não seja bicicleta, alfanje, etc. é o Brasil e por extensão o Mercosul. Por isso estão todos aqui e querendo investir mais e mais aqui. O mercado brasileiro, segundo dados da Nielsen, cresceu nos últimos 5 anos:

859% em fraldas descartáveis
369% em mistura para bolos
310% em alimentos para gatos
282% em leite flavorizado
273% em alimentos para cães
219% em leite longa vida
201% em massas instantâneas
176% em cereais matinais
116% em carnes congeladas
81% em água mineral
Fonte: AC Nielsen

O Brasil é hoje um mercado que apresenta alguns dados impressionantes:

1,3 milhão de lavadoras de roupa
82% mais que no Canadá
4o. Maior mercado do mundo

8,02 trilhões de litros de refrigerantes
343% mais que no Canadá
3o. Maior mercado do mundo

US$1,3 bilhão em alimentos "diet ou light"
US$100 milhões em 1990
US$6 bilhões em 2010
63,4 mil toneladas de creme dental
456% mais que na Itália
51,4 mil títulos de livros
12% mais que a Itália
US$1,2 bilhão em CD’s
5o. maior mercado fonográfico do mundo

681,9 mil toneladas de biscoito
27% mais que o Japão
2o.maior mercado do mundo

3 milhões de geladeiras
66% maior que o Reino Unido
4o.maior mercado do mundo

8,9 milhões de usuários da Internet
95% das declarações de IR foram enviadas via Internet

Vejamos apenas dados referentes às residências no interior de São Paulo:

97% tem geladeira;
94% tem TV em cores;
91,3% tem Máquina de Lavar;
78,3% tem Videocassete;
33,3% tem Freezer.
Fonte: SEAD - Pesquisa de Condições de Vida

E é importante que saibamos que somente a chamada classe média e emergente no Brasil hoje representa:

32 milhões de famílias: (IBGE)

Assim, só a classe média e emergente no Brasil é:

8% maior que a população da Alemanha.
Maior que a República Checa, Bélgica, Hungria, Portugal, Suécia, Áustria, Suíça, Finlândia, Dinamarca, Noruega, Irlanda, Nova Zelândia, Luxemburgo e Islândia juntos.
É maior que a França e Canadá juntos.
Equivale a um terço da população dos Estados Unidos.
Equivale a 72% da população do Japão.

Nós também não temos consciência de que o Brasil representa 42% do PIB da América Latina incluindo o México e seu PIB representa 13,3% do PIB total dos países em desenvolvimentoluindo a China.

E que:

Todo o PIB da Argentina ... Equivale ao Interior do Estado de São Paulo
Todo o PIB do Chile ...  Equivale ao Grande Campinas (Ernest & Young)
Todo o PIB do Uruguai ...  Equivale ao bairro de Santo Amaro em São Paulo

Também não temos muita consciência de que o desemprego no Brasil é medido pelo IBGE em apenas 5 grandes cidades e com base no seguro desemprego. Assim temos os dados (maio 2000) que o desemprego é de 7,9% - Brasil - medido apenas em Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio, São Paulo, Porto Alegre.

Se o desemprego do setor secundário (indústria) é grande, temos o terciário da economia (comércio e serviços) como o grande gerador de emprego e renda do século XXI.   Assim, alguns dados merecem uma análise. Veja:

O Shopping Center de Recife tem 7.500 funcionários. O Shopping São Luís (MA) 5.000 funcionários. O Hotel Transamérica de Comandatuba, 860 funcionários.

Só os supermercados no Brasil são 25.000 empresas, 55.000 lojas, 667.000 empregos diretos e 2 milhões de empregos contando com promotores, degustadores e fornecedores.

Só as 54 maiores agências de publicidades do Brasil, geram 4.369 empregos diretos e a maioria do pessoal de uma agência é terceirizado.

As nove maiores empresas de telemarketing sozinhas (contando somente operadores próprios) geram mais de 34.000 empregos.

É preciso compreender que as empresas multinacionais estão investindo aqui porque O Brasil é o 9o. País do mundo em Poder de Compra com mais de US$1 trilhão de dólares em Purchasing Power Parity. Hoje o ranking é:

EUA, China, Japão, Alemanha, Índia, França, Inglaterra, Itália, Brasil - a previsão é que passe para o 5o. lugar em 2001, atrás da Alemanha.

Assim temos que definitivamente compreender que é por tudo isto que o mundo não pode permitir que o Brasil quebre. Todo o mundo sabe que se o Brasil quebrar....

O México quebra 30 minutos depois...
A Argentina quebra 15 minutos depois...
O Chile quebra 5 minutos depois...
O Paraguai ....

Pense nisso. Passe de uma consciência ingênua para uma consciência crítica a respeito do Brasil. Se somos 32 milhões de pobres somos também 137 milhões de "não-pobres" e isso quer dizer muita coisa num mundo de mercados maduros.

Professor Luiz Almeida Marins Filho, Ph.D.
Clique aqui e conheça mais sobre o Prof. Marins
( http://www.marins.com.br/ )

( Colaboração de João Roberto Andrade Arié )

Topo da PáginaTopo da Página  -  Voltar página anteriorVolta Página Anterior


AMBIÇÃO
Raúl Candeloro

Afinal de contas, ambição é um elogio ou um insulto? Em todas as palestras que faço peço que as pessoas listem as características do sucesso. Ambição nunca falta. (Inteligência, criatividade e ética, por outro lado, precisam geralmente de uma forcinha para serem lembradas). Mas não a ambição – esta nunca falta.

A ambição é tema de debates filosóficos e de peças teatrais desde templos imemoriais, passando por gregos, romanos e egípcios e mereceu tratamento especial de Shakespeare, que em várias peças tem na ambição dos seus personagens a mola propulsora de todo o trama e até mesmo na Bíblia Sagrada.

Ambição tem a mesma raiz da palavra ambiente não por acaso. As duas vem de ‘ambire’, que significa ‘mover-se livremente’. Traduzido literalmente e, principalmente, se usada corretamente, a palavra ambição significa criar seu próprio caminho na vida. É simplesmente você saber o que quer para sua vida, e tentar chegar lá.

Ambição, assim, não é uma neurose obsessiva, ganância exagerada ou o desejo de subir na vida pisando nos outros. Isso é o que o Mestre Yoda chamaria do lado negro da força: quando um desejo humano se transforma em obsessão, perde o controle e passa a dominar a pessoa, tornando-se seu foco principal.

A ambição tem também forte componente social. Num país como o Brasil, por exemplo, ser ambicioso é muitas vezes visto como algo negativo. Dizer que ‘fulana é muito ambiciosa’ é quase um insulto – significa que a pessoa é pouco confiável por ser egoísta (no sentido literal da palavra), e que certamente passará por cima de qualquer um em busca de seu objetivo. Neste caso, ‘objetivo’ significa geralmente alguma vantagem monetária ou econômica – algo palpável, digamos assim... financeiramente. Ambição virou sinônimo de ambição financeira, quando na verdade é muito mais do que isso.

Ambicioso também, por motivos que aqui não temos nem tempo nem espaço de comentar, virou sinônimo de arrogante. E todos sabem que ser arrogante é ‘feio’ e errado, logo... ser ambicioso também é. As pessoas ‘humildes’ são elogiadas em público, o que faz com que as pessoas cresçam com uma percepção distorcida do que é realmente preciso para ter sucesso na vida. A Humildade importante não é aquela de não falar de si próprio – é ter a coragem de ouvir críticas, aprender com erros, aceitar outros pontos de vista. Até porque muitas vezes a humildade pública é completamente falsa – cansei de conhecer pessoas que incorporam um personagem em público, no palco ou TV, e são completamente insuportáveis na vida pessoal.

Mas voltemos ao ponto principal, que é o da ambição: porque ela aparece em todas as listas das características de sucesso? Porque é essencial. Sem ambição, sem querer algo melhor para sua própria vida e para a dos outros, a pessoa se acomoda. Não sai de sua zona de conforto, não se arrisca, não testa seus limites. Ou seja, não faz seu próprio caminho. Aceita o caminho dos outros, que muitas vezes lhe é imposto. E depois reclama que é infeliz.

Já as pessoas ambiciosas são as que fazem o mundo girar. São as que apresentam projetos, abrem empresas, sonham e colocam em ação. Enfim, assumem riscos. Preferem a tristeza da derrota do que a vergonha de não ter lutado. Embora nem todos os ambiciosos consigam o que querem, muitos deles (e delas) conseguem bem mais do que conseguiriam se ficassem acomodados. E talvez assim cheguemos ao final da charada: talvez a ambição tenha se tornado negativa, na visão de algumas pessoas, simplesmente por inveja. Acomodadas e preguiçosas, preferem denegrir o trabalho dos outros do que tirar a bunda da cadeira.

Se essas pessoas entendessem que ambição é muito mais do que falar de dinheiro – é falar de destino – provavelmente melhorariam muito sua qualidade de vida, e de todos os outros ao seu redor, pois assumiriam sua vida, ao invés de terceirizá-la, que é o que a maior parte das pessoas faz. Principalmente, parariam de ter inveja, pois a ambição sadia é criar seu próprio caminho de vida. Quem pode ser contra isso? Só alguém muito medíocre. Preguiçosos que se incomodam com as iniciativas de outras pessoas. E se quisermos que o Brasil realmente cresça não podemos mais ter lugar para medíocres no século XXI.

Raúl Candeloro,
Autor dos livros Venda Mais, Negócio Fechado, Criatividade em Vendas e Correndo Pro Abraço, é palestrante e editor da revista Venda Mais® e responsável pelo site www.raulcandeloro.com.br

( Colaboração de João Roberto Andrade Arié )

Topo da PáginaTopo da Página  -  Voltar página anteriorVolta Página Anterior


COMO VENDER SUA COMPETÊNCIA
Dulce Magalhães

Um dos temas de maior ansiedade em termos de carreira é aquele item, meio abstrato, conhecido por empregabilidade.

Essa é uma questão inquietante porque nunca temos a absoluta certeza de que estamos fazendo o que realmente o mercado deseja. Afinal, quais são as demandas da empregabilidade?O que se entende como excelência profissional? Qual o perfil de um profissional de sucesso?

Além dessas dúvidas que, freqüentemente, atazanam nossa tranqüilidade, as respostas encontradas representam um desafio que parece superior às nossas forças. É uma mistura de superpoderes com charme e cultura. Enxergar essas verdades só aumenta a nossa ansiedade, pois nos sentimos incapazes de atender a tão elevadas exigências. Como liderar pessoas pela persuasão e, por outro lado, viver a pressão por resultados de curto prazo, ou dominar o planejamento, mas não exigir condições para sua realização; dando "um jeito" de fazer acontecer apesar das dificuldades. Enfim, é um mar de ambigüidades e contradições.

Na verdade, temos que compreender os desafios como alavancas de nosso progresso. Sem eles, não nos moveríamos tão rápido, nem para tão longe. Não existe um modelo perfeito em termos de mercado, até pela própria dinâmica que amplia a demanda conforme vamos avançando ou modifica os rumos de acordo com novas oportunidades. O fundamental é medir o pulso do mercado e fazer uma leitura do ritmo com que ele atua, ajustando-nos para não perder a batida.

Isso significa nos colocarmos à prova, avaliando a condição de nos mantermos no mercado e definindo um novo patamar de desempenho a cada período. É fugir da tal da obsolescência programada. É desistir do sucesso passado para se manter em sucesso permanente.

Uma das formas de verificarmos como está nossa empregabilidade é elaborarmos nosso currículo semestralmente e perceber o quanto modificamos no período (confira dicas para a elaboração de currículo). Se não houver nada de especial a relatar, estamos vivendo a obsolescência, porém sem a virtude de auto-superação. Perdemos valor de mercado, mantendo somente o que já fazíamos.

Uma experiência interessante é relatada por um executivo de uma multinacional inglesa que resolveu, usando um codinome, enviar seu currículo ao departamento pessoal da sua empresa. Para seu espanto, recebeu uma resposta dizendo que, apesar de determinadas qualificações, seu perfil não estava de acordo com o da organização. Ao invés de se apavorar ou tentar brigar por reconhecimento, o executivo procurou investigar que áreas de seu perfil não estavam afinadas com a empresa, e descobriu que de fato havia muita coisa que ele poderia aprender e atuar de modo diverso.

O mais interessante é que muito do que descobriu ele já sabia, ou até mesmo havia sido quem determinou aquela característica como importante na instituição. Entretanto, seguro no cargo, não tinha parado para pensar como fazer para se tornar o profissional cobiçado pela empresa.

Esse é um dos erros mais freqüentes cometidos por profissionais bem posicionados no mercado. Eles acreditam que, como o período de flerte e namoro já encerrou, seu casamento com a empresa será para a vida toda, ou que, no caso de um divórcio, eles continuarão sendo atraentes para outras empresas. O que se vê na prática é que o poder de atração e a competência têm que continuar sendo vendidos mês a mês, dia a dia. É assim que podemos construir casamentos profissionais duradouros. Outra questão para se refletir é se o relacionamento entre profissional e empresa é realmente bom para as duas partes. Às vezes, é mais lucrativo para todo o mundo a separação.

Dulce Magalhães ( http://www.dulcemagalhaes.com.br/ )
Doutora em Planejamento de Carreira pela Universidade de Columbia (EUA); Mestre em Comunicação Empresarial pela Universidade de Londres (Inglaterra); Pós Graduada em Marketing pela ESPM-SP; articulista da revista de " Amanhã" e autora do livro: Alternativas Estratégicas para o Varejo no Brasil.

Topo da PáginaTopo da Página  -  Voltar página anteriorVolta Página Anterior


CRIE, INOVE OU EVAPORE...
Antonio Carlos Teixeira da Silva

A minha experiência profissional como ex-executivo de empresas líderes (Kolynos, J.Walter Thompson Propaganda, Bayer, Stanhome, Avon) deixam-me seguro para alertar que se você não desenvolver sua Criatividade seu emprego está com os dias contados. Ou na melhor das hipóteses você aguentará ainda algum tempo, mas na pasta dos descartáveis. É um fenômeno histórico:

A Era da Agricultura durou milênios até que chegou a Era Industrial. Nas últimas décadas iniciou-se a Era da Informática e agora, queiram ou não, entramos na Era da Criatividade e da Inovação.

A Informática não será substituída pela Criatividade. Será complementada. Sabe por que? Porque tudo o que informática disponibiliza, tais quais informações, estatísticas, avaliações, processos e muito mais não tem utilidade se você, ser humano, não tiver Criatividade para interpretar, ler nas entrelinhas, tudo o que a Informática produz. Então, a partir daí, solucionar problemas, identificar oportunidades. A Criatividade não é um modismo. Ela é uma habilidade exclusiva do ser humano. Cada vez mais valorizada.

Existe um paradigma de que apenas algumas áreas são movidas à Criatividade: marketing, propaganda, promoções, desenvolvimento de novos produtos. As demais, principalmente as burocráticas e as de organização, nada a ver com Criatividade. Puro preconceito.

O burocrata, como todo e qualquer ser humano, tem Criatividade. Só que ele não está acostumado a usá-la. Ele faz trabalhos mecânicos, iguais. Mas a natureza de seu trabalho não o impede de ter idéias, de pensar diferente para simplificar métodos e procedimentos, melhorar sistemas, agilizar fluxos, reduzir burocracia, papelada, custos, controles mais eficientes. Organizar mais racionalmente.

A relação de trabalho mudou, apesar de alguns ainda não conseguirem ver. Sem agregar valor ao seu trabalho considere-se na pasta dos descartáveis. É só uma questão de tempo. Pouco tempo. E sem Criatividade fica muito mais difícil você identificar uma oportunidade, solucionar um problema.

Imagine-se, por exemplo, um propagandista de laboratório farmacêutico. Você recebeu excelente treinamento sobre os medicamentos, relações humanas, técnicas de abordagem ao médico, à Secretária, etc. Você e milhares de outros. Você está homogeneizado e é apenas mais um na multidão.

Na sala de espera do médico estão quatro ou cinco propagandistas e você aguardando pela oportunidade de demonstrar seus produtos. O médico abre a porta, todos ficam em pé e, recitam em côro:

- "Bom dia Doutor"

Tudo conforme descrito no manual. Vocês abrirão a mesma pasta preta com o logotipo do laboratório, mostrarão literaturas similares, algum brinde para o médico colocar sobre a mesa e deixarão amostras dos medicamentos.

Tudo igual, todos iguais.

Por qual razão o médico dará maior atenção a você ou a um de seus colegas de profissão?

Você pode diferenciar-se, obter melhores resultados do que seus concorrentes. Como? Usando sua Criatividade. Estando treinado para usar sua Criatividade. Estando com sua Criatividade alerta quando a oportunidade surgir. Ou criar uma oportunidade.

Um propagandista que eu conheço visitava um médico no horário para atendimento aos propagandistas. Ele e mais cinco ao mesmo tempo. Numa dessas visitas ele observou a secretária preparando uma maçã e uma laranja para o Doutor. O médico não costumava sair para almoçar e comia algumas frutas ali mesmo no consultório. Este propagandista então, sozinho, levou uma cesta de frutas ao médico. Diferenciou-se. O médico gostou muito e, a partir daí, enquanto comia as frutas assistia a apresentação dos produtos. O propagandista sozinho, com muito mais tempo e desenvolvendo uma relação mais cordial ainda com o médico.

O propagandista foi observador. Identificou uma oportunidade. Pensou diferente e solucionou um problema. Diferenciou-se e melhorou o resultado de seu trabalho.

Pense Diferente nos assuntos de sua área de atuação.

Habitue-se a perguntar-se: de que maneira eu posso fazer isto melhor, mais rápido, mais prático, mais eficiente? De que maneira posso melhorar meu desempenho profissional?

Isto é comportamento Criativo. É isto que as empresas estão esperando de todos seus funcionários. Desde o mais humilde até o Presidente. Exemplos concretos já existem em grandes corporações tais quais 3M, The Innovation Company, Procter&Gamble que possui um Departamento de Criatividade na Matriz.

Além disso, muitas outras corporações lançaram projetos de Criatividade & Inovação a serem aplicados em todas as suas subsidiárias, para todos os funcionários. No Brasil estes programas estão proliferando rapidamente.

Pense diferente para sobreviver e ter sucesso nesta nova Era. Você, como todo ser humano é dotado de Criatividade, o que falta é exercitá-la. Walt Disney estava correto quando disse: " Criatividade é como ginástica, quanto mais você faz mais forte fica."

Antonio Carlos Teixeira da Silva
Conferencista sobre Criatividade e idealizador do Projeto PENSE DIFERENTE. (www.pensediferente.com.br)

Topo da PáginaTopo da Página  -  Voltar página anteriorVolta Página Anterior


NOTA DE AGRADECIMENTO

Como já mencionado, este é um site cultural e a  publicação de textos tem a única intenção de mostrar quão rica é a literatura mundial e levar aos usuários da Internet um pouco mais de cultura e conhecimento dos mais variados assuntos.

Agradecemos aos editores dos autores aqui citados a permissão para mencionar trechos ou partes de suas obras. Informamos que mantivemos fiel transcrição de suas publicações originais. Se houver interesse, há espaço reservado para links ou anúncios de suas empresas. Muito Obrigado!

NPDBRASIL Empreendimentos
( Dermeval P. Neves )


Fale Conosco!


Recomende o Site
Recomende

Indique a Amigos
Indique a Amigos

Voltar página anterior

Imprimir esta página

Ir para o topo da página...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 
  Voltar página anterior

Pesquisa Google - NPDBRASIL
Pesquisa personalizada

Mensagem: "O Senhor é meu pastor, nada me faltará!" "O bem mais precioso que temos é o dia de hoje! Este é o dia que nos fez o Senhor Deus! Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!". (Salmos)

Ir para o topo da página...  
Copyright 2013 NPDBRASIL    Design by Dermeval P Neves