ACESSO À PÁGINA DE ENTRADA DO SITE! Brasil... Meu Brasil brasileiro... NPD Sempre com você... QUE DEUS NOS ABENÇOE!
ESPECIALIDADE EM FAZER AMIGOS
AME SUA PÁTRIA!
Voltar para Home Contato Mapa do Site Volta página anterior Avança uma página Encerra Visita

NADA PODE DETER O BRASIL, O BRASIL SOMOS NÓS!

 
Guia de Compras e Serviços

COM MEUS BOTÕES...

Faça sua busca na Internet aqui no NPDBRASIL
Pesquisa personalizada

Criação e colaboração do Diácono José da Cruz de Votorantim-SP, Contos com diálogos do sonhador - O Dreamer - com o velho e sábio botão - O Marechal.

Índice desta página:
. JUIZ CAIPIRA
. NOSSO CARTEIRO
. LAVADOR
. REENCONTRO
. BONEQUINHA


JUIZ CAIPIRA

Participava de uma audiência trabalhista em uma cidade pequena da região quando tive minha atenção voltada para o Juiz que presidia os trabalhos. Desprovido de qualquer ostentação de poder, ele saudou a todos antes de tomar o seu lugar e com uma boa prosa interiorana nos deixou a vontade chegando a fazer anedota com o advogado de uma das partes demonstrando um ótimo bom humor.

___Marechal, você está aí? --- cochichei com o meu Botão, que sonolento acomodado no fundo do bolso, nem se dera conta de que já havíamos adentrado à sala de audiências. Após ouvir minhas breves considerações sobre a atuação do Magistrado, ele comentou:

___Mesmo hoje, com o advento do modernismo, a cultura interiorana é outra e as relações entre as pessoas são mais autênticas chegando a quebrar o protocolo, como é o caso desse juiz.

___Pois é Marechal, tanto eu como o advogado que me acompanha, nos lembramos das audiências da grande metrópole da região, que são às vezes bem estressantes.

___E como age o Magistrado de lá? Não fui em nenhuma audiência com você, esta é a primeira vez.

___Ah Marechal, eles em geral agem dentro do formalismo jurídico, limitam-se a poucas palavras na interrogação das partes. Dificilmente nos dirige a palavra, como fez esse “Juiz Caipira” que nos deixou bem a vontade e ao terminar a sua participação, educadamente pediu licença para retirar-se da mesa. – observei.

Pouco depois, quando já rodávamos pela SP-70 na viagem de volta, o Velho Marechal arrematou a conversa enquanto se recolhia ao fundo do bolso, já que não gosta de vento e eu transitava com o vidro do carro abaixado.

___O seu Juiz Caipira é sábio, porque, não desprezando o conhecimento jurídico que demonstrou possuir no trato com as partes em demanda, valoriza muito as pessoas colocando-as acima do protocolo e com sua simplicidade acaba cativando a todos. A Lei está para as pessoas e não as pessoas para a Lei.


NOSSO CARTEIRO

A mulher chamou-me a atenção para o desempenho do carteiro que atende a Barra Funda, e que quando a nossa correspondência não cabe na Caixa de Cartas afixada no pequeno portão, pacientemente ele dá a volta pelo jardim do vizinho, que não tem muro, e estendendo a mão com um certo esforço por cima do muro, coloca a correspondência por baixo da nossa porta.

___Este é um bom profissional! – comentei.

___Discordo, não se trata disso. --- interviu o Velho Botão,sentado na beira do bolso da minha camisa.

___Posso saber o por que dessa discordância? – indaguei, olhando para o Marechal.

Então o Velho Botão deu a clássica pigarreada, ajeitou os óculos na ponta do nariz e respondeu:
___Bom profissional é aquele que demonstra conhecimento técnico aprimorado e o aplica nas tarefas que desempenha no cargo que ocupa. Pense bem, será esse o caso? --- perguntou provocante Marechal, olhando-me com o canto dos olhos.

Fiquei em silêncio, refleti sobre o caso e acabei concluindo que a ação não faz parte da técnica de um carteiro, que poderia até levar de volta a correspondência alegando que a nossa caixa é inadequada para correspondência volumosa. Como sempre, o Velho Botão tinha razão, então lhe dei a resposta:

___Acho que não é esse o caso, não se trata de técnica.

Então Marechal posicionou-se melhor e iniciou seu discurso conclusivo:

___Mais do que um bom profissional, esse carteiro é pessoa de bem, que executa seu trabalho pensando nas necessidades das pessoas. Desempenha sua tarefa com alegria e faz de tudo para que as pessoas fiquem satisfeitas. Você sequer o conhece, mas ele está feliz porque sabe que você e sua esposa perceberam que ele faz a diferença, porque trabalha com amor e é essa a melhor técnica para o desempenho de qualquer profissão.


LAVADOR

Levei o carro do diretor para lavar no posto que presta serviço à empresa onde trabalho.

O lava rápido automático não mais funciona e no mesmo local o serviço é feito por um lavador.  Acomodei-me sentado na mureta à sombra, e no sol escaldante das duas da tarde fiquei a observar o homem fazendo a lavagem do veículo.

___Você viu o aviso afixado ali à frente? – indagou o Velho Botão, que estava acomodado na beira do meu bolso, aproveitando para refrescar-se na brisa que vinha do jato dágua que o homem usava.

“Colabore com o Lavador” – dizia a faixa colocada na estrutura do antigo lava rápido.

___Bom, esse posto presta serviço à empresa e portanto não tenho obrigação de pagar nada... - retruquei ao Marechal.

___Mas não é pagamento, apenas uma colaboração! – observou o Velho Botão.

___Sabe Botão, eu preferia o lavador automático, quando a gente apertava o botão ele fazia todo o serviço, como cortesia do posto em cada abastecida.

___Pois é, mas quando você chegou, este homem humilde sorriu e te falou “Boa Tarde” e veja como ele está caprichando, esfregando o pano em cada sujeira que está impregnada na lataria, coisas que a máquina jamais iria fazer, seu eu fosse você daria uma gratificação e faria um elogio ao trabalho desse homem.

___Está bem Marechal, vou dar “cincão” e pedir reembolso à empresa. Você me convenceu. – Conclui com ironia.

Então Marechal com um gesto de impaciência, respondeu, enquanto descia indignado ao fundo do bolso:

___Se você não tem sensibilidade para valorizar o ser humano que está lhe prestando um favor, não dê nada!

Observei melhor o lavador, que aparentava ser uma pessoa humilde, e devia ganhar um salário minguado que era engordado pelas gorjetas que recebia. Notei o esforço e a dedicação com que fazia a tarefa, dando o melhor de si sob o sol causticante da tarde molhando a camisa de suor e água.

___Está pronto senhor... – disse-me educadamente.

Apanhei algumas moedas e coloquei nas mãos calejadas que se estenderam para apanha-las e falei:

___O carro é da empresa, mas faço questão de colaborar, porque o seu trabalho é muito bom, parabéns!

Ele sorriu alegre e erguendo a mão direita agradeceu:

___Muito obrigado e que Deus o abençoe!

Voltei calado e no trajeto até a fábrica senti uma grande e inexplicável alegria. No fundo do bolso, Marechal piscou e arrematou:

____Essa é a oração mais curta e sincera que um pobre faz, quando alguém lhe ajuda, e que Deus atende de imediato, eis a razão da alegria que agora toma conta do seu coração.


REENCONTRO

Retornava do dentista onde a Doutora que vem cuidando de mim é neta do “Sêo Antonio”, colega de serviço da Via Férrea, onde entrei em meados dos anos 70.

Eu o chamava de “Brusa” e ficamos tão amigos que ele e a esposa Dona Leonilda batizaram minha primeira filha. Vim a pé pela antiga Vila Albertina e ao passar perto da fiação Alpina, não pude deixar de olhar pros lados de onde se localizava a antiga estação de Bondes e me lembrei do “Brusa” com sua calça xadrez, espiando o movimento com as duas mãos enfiadas no bolso da blusa vermelha.

___E como é que vai o seu amigo “Brusa”?

Era o Marechal, que sentado na beira do bolso da camisa, pegou carona em minhas lembranças.

___Meu caro Botão, o “Brusa” já é falecido já muito tempo, sua pergunta não procede...

___Mas você o reencontrou esta tarde - argumentou o Velho Botão.

___Eu não reencontrei o “Sêo” Antonio, mas sim a neta dele, filha do Zé Brusarosco.

___Não adianta me retrucar, você o reencontrou sim, ele está mais vivo do que nunca! - disse com firmeza o Marechal.

Eu pressenti que o Velho Botão queria filosofar e como há tempo não conversamos, fiquei em silêncio e na mureta da Avenida Santo Antonio, na escadinha que desce para o Clube Atlético, apoiei um pé no muro e fiquei calado, olhando para o local onde vivi boa parte das lembranças na convivência com o Brusarosco.

E logo Marechal, após refletir, ajeitou o velho óculos que caia na ponta do nariz e arrematou a nossa conversa:

___Um homem que só faz o bem nessa vida, que cultiva muitas amizades, constrói uma família e toda uma história, legando às gerações futuras valores e virtudes para bem viver, um homem que mesmo diante de uma dor e sofrimento, consegue manter o bom humor e sorrir, o seu amigo “Brusa” como você o chamava, era assim?

___Era exatamente esse o perfil do meu saudoso amigo...

___Pois bem, esse homem nunca morreu, porque quando trilhamos o caminho do bem, nos eternizamos no coração e na lembrança das pessoas que amamos. Você o reencontrou esta tarde, na sua neta Dentista. Só morre de fato os que nessa vida enveredaram pelos caminhos obscuros do mal.


BONEQUINHA

Fazia minha caminhada vespertina quando deparei com uma pobre mulher levando pela mão uma criança que armava o maior berreiro porque estava querendo algo. À frente seguia um catador de papelão, com seu carrinho lotado.

___Mas que berreiro está fazendo essa menininha! O que será que ela quer?

Marechal nada respondeu mas pouco depois me perguntou:

___Você conhece esse catador de papelão? Será que ele é rico ou pobre?

Eu sabia que esta era uma pergunta estratégica, mesmo assim dei um sorriso irônico e respondi:

___Bom, só se for algum milionário disfarçado de pobre, porque com essa barba grande, chinelão de dedo todo ensebado, a camiseta surrada e a bermuda que cabe uns três, está na cara que ele é um pobre diabo que não tem nem um gato pra puxar pelo rabo!

___Pois saiba que você está enganado--- retrucou o Velho Botão – ele tem algo a dar sim, e vai fazê-lo daqui a pouco, bem diante do seu nariz. Agora repare na menininha...

___Ah sim! Na chorona gritadeira? Coitada da mãe, essa aí veio para “pagar o pito”, como diziam antigamente.

O Catador de papelão parou o carrinho para pegar umas latinhas na calçada. Depois ficou olhando a mulher e a criança.

___Preste atenção no que vai acontecer agora.--- disse o Botão.

___Ah, mas eu já sei! A criança vai chorar ainda mais, porque esse Barbudo parece o “Bicho Papão”- comentei.

Mas Marechal nada respondeu e apontou-me o catador de papelão, que naquele momento apanhou do meio da carga do seu carrinho, uma bonequinha encardida faltando um olho e uma perna, acariciou a mecha de cabelos e entregou todo sorridente a bonequinha para a menina, que imediatamente parou de chorar, depois tomando-a com toda delicadeza, colocou-a sentada em cima da carga de papelões e seguiu em frente puxando o pesado carrinho, levando em cima a menininha, que agora era só sorriso, abraçada a bonequinha mutilada, para alegria da mãe que ia ao lado.


Desta vez foi Marechal que abriu um sorriso e concluiu:

___Aí está !Ninguém é tão pobre que não tenha nada a oferecer, esse humilde Catador de Papelão, fez nascer um sorriso de alegria no rosto dessa criança, que estava marcado pelo pranto e isso, não há dinheiro que pague! Ele é portanto um rico, porque possui um coração generoso, que é a maior de todas as riquezas.



ESTA PÁGINA É DEDICADA A CRIAÇÃO DO DIÁCONO JOSÉ DA CRUZ.



QUE DEUS ABENÇOE A TODOS NÓS!

Oh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno,
levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente
as que mais precisarem!

Graças e louvores se dê a todo momento:
ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento!

Mensagem:
"O Senhor é meu pastor, nada me faltará!"
"O bem mais precioso que temos é o dia de hoje!    Este é o dia que nos fez o Senhor Deus!  Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!".

( Salmos )

.
ARTE E CULTURA
RELIGIÃO CATÓLICA
Ajuda à Catequese
EVANGELHO DO DIA
ANO DA EUCARISTIA
AMIGOS NPDBRASIL
COM MEUS BOTÕES
LIÇÕES DE VIDA
Boletim Pe. Pelágio
À Nossa Senhora
Orações Clássicas
Consagrações
O Santo Rosário
Devoção aos Santos
Fundamentos da Fé
A Bíblia Comentada
Os Sacramentos
O Pecado e a Fé
Os Dez Mandamentos
A Oração do Cristão
A Igreja e sua missão
Os Doze Apóstolos
A Missa Comentada
Homilias e Sermões
Roteiro Homilético
Calendário Litúrgico
O ANO LITÚRGICO
Padre Marcelo Rossi
Terço Bizantino
Santuário Terço Bizantino
Santuario Theotókos
Mensagens de Fé
Fotos Inspiradoras
Bate-Papo NPD
Recomende o site
Envie para amigos
 
Espaço Aberto
 
MAPA DO SITE
Fale conosco
Enviar e-mail
Encerra Visita
 

 


Imprimir

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...


Voltar
Página Inicial |Arte e Cultura | Literatura | BOLETIM MENSAL

Parceiros | Política de Privacidade | Contato | Mapa do Site
VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...
Design DERMEVAL NEVES - © 2003 npdbrasil.com.br - Todos os direitos reservados.