ACESSO À PÁGINA DE ENTRADA DO SITE! Brasil... Meu Brasil brasileiro... NPD Sempre com você... QUE DEUS NOS ABENÇOE!
ESPECIALIDADE EM FAZER AMIGOS
AME SUA PÁTRIA!
Voltar para Home Contato Mapa do Site Volta página anterior Avança uma página Encerra Visita

NADA PODE DETER O BRASIL, O BRASIL SOMOS NÓS!

 
Guia de Compras e Serviços

COM MEUS BOTÕES...

Faça sua busca na Internet aqui no NPDBRASIL
Pesquisa personalizada

Criação e colaboração do Diácono José da Cruz de Votorantim-SP, Contos com diálogos do sonhador - O Dreamer - com o velho e sábio botão - O Marechal.

Índice desta página:
. CHUVA E LÁGRIMAS
. MUDANÇAS
. BIG BROTHER BRASIL
. CACHORRINHOS
. AZEDUME


CHUVA E LÁGRIMAS

Na tarde de terça feira de carnaval, descia do Rio Acima quando despencou um aguaceiro e resolvi, por precaução parar no Posto da Mangueira perto da Via Férrea, e para passar o tempo coloquei um CD de hinos patrióticos dos quais gosto muito.

Naquele momento avistamos um cotejo fúnebre que saia da Ossel, acompanhado por uma fileira de viaturas policiais com a sirene aberta pedindo passagem.

___Veja Marechal, deve ser o enterro daquele policial da Vila Nova que foi mais uma vítima da violência.

Coloquei o Velho Botão no painel do carro para ele ver melhor e reparei que ele estava com uma vistosa farda azul e um quepe na cabeça, que tirou respeitosamente quando o féretro passou por nós, fazendo a continência no momento em que, por coincidência tocava o hino do soldado com seu refrão “A paz queremos com fervor/ A guerra só nos causa dor/ Mas porém se a pátria amada for um dia ultrajada/ lutaremos sem temor”

A chuva marcava o compasso da tristeza no pranto dos familiares e amigos da PM e as lágrimas se misturavam com a água que vinha do céu. Olhando para o velho Botão ainda em continência, e com este refrão servindo como um trilha sonora para aquele momento, tive de me conter para não cair em prantos, ao lembrar-me de que estávamos justamente no local onde o PM foi atacado de maneira traiçoeira e inesperada.

Quando passou o último carro, Marechal voltou a última forma e sentou-se na beira do bolso da minha camisa.

___Meu amigo, até parece que este hino fala desse moço, um fiel soldado na luta pelo bem ... - comentei.

Marechal estava emocionado, e enxugando algumas lágrimas que caíram de seus pequeninos olhos, concluiu:

___A pátria sempre é ultrajada quando a força do mal domina o coração de um jovem, para quem a vida do próximo de nada vale, mas esse ultraje é desagravado quando policiais valiosos tombam de maneira heróica na luta contra a marginalidade, ensinando-nos que vale a pela acreditar no bem.

___Mas Marechal, não dá a impressão de que o mal saiu-se vitorioso nesse caso? Veja quanta tristeza...

___Não devemos nunca pensar assim, porque ao dar a sua vida pelo Bem que sempre sonhou e alimentou em seu coração, esse policial conseguiu enfim alcançá-lo e realizá-lo de maneira plena.

___Mas então ele realizou todos os seus sonhos e a sua esperança, aonde? – indaguei.

Então o Velho Botão concluiu, apontando as alturas do infinito,onde um pedaço azul de céu aparecia timidamente entre as nuvens carregadas:

___Lá... onde os justos encontram abrigo seguro NAQUELE que é o Bem Supremo!


MUDANÇAS

___Tenho novidades meu caro Marechal, finalmente estão acontecendo reformas importantes na câmara dos deputados lá em Brasília!

O velho Botão, que estava de pijama porque acabara de se levantar, interessou-se pelo assunto e comentou:

___Reformas na câmara dos deputados são muito importantes, já faz tempo que os deputados não fazem nada sério, do que se trata?

Por instantes fiquei com receio de que o Velho Botão não fosse apreciar a minha “brincadeira”, mas como tenho certa liberdade com ele, decidi prosseguir e falei:

___Olha Marechal, entre os reformadores tem um que eu critiquei e que acabou me surpreendendo...

O velho botão sorriu e perguntou:
___Não me diga que é o tal de Clodovil? Que reforma ele fez?

___Bom, ele e alguns deputados fizeram uma grande reforma... em seus gabinetes com decorações luxuosas, inclusive o Clodovil colocou uma enorme cobra de bronze.

Marechal sentou-se desanimado na caixa de fósforos e indagou:

___Isso é sério?

___Claro que sim! Veja aqui neste jornal ...

O Velho Botão devorou em instantes o noticiário e logo demonstrando desapontamento comentou:

___Então são essas as tais reformas que os ilustres deputados estão fazendo... Que bela arroba!

___Pois é Marechal, tem um que até colocou quadros valiosos e um tapete persa, mas pelo menos isso não saiu do bolso do contribuinte, pois eles tiveram o bom senso de pagarem do próprio bolso.

O Velho Botão balançou a cabeça e voltando para a caixa de fósforos, de onde tinha saído para ler o jornal, encerrou o assunto:

___Não sei iluda com isso, pois o que vão desembolsar agora com tais futilidades, irão ganhar o quíntuplo com o gordo salário, demais vencimentos e todas as regalias a que tem direito um deputado federal. Instalados confortavelmente em seus gabinetes de luxo, jamais irão se lembrar do pobre povo, que como sempre continuarão, em sua maioria, a comer o pão que o diabo amassou!


BIG BROTHER BRASIL

Domingo á noite, assim que terminou o Fantástico, fiquei olhando um pouco do tal de Big Brother Brasil, deitado nas almofadas do banco de madeira do quartinho da edícula. O Velho Botão, que se preparava para deitar, comentou:

___Esse programa me embrulha o estômago. Quanta bobagem... Vou dormir que ganho mais.

“___E atenção, sua participação é muito importante, ligue aqui no BBB de Brasília ao vivo e faça a lista dos deputados e senadores que você quer mandar para o paredão...”.

___ Oba, que novidade é essa? BBB em Brasília? Deixa-me ver melhor...

“___É isso mesmo caro telespectador, é você que decide quais os políticos que vão para o paredão. Os indicados pela maioria dos brasileiros, serão exonerados de suas funções e nos próximos 30 anos não mais poderão participar da política neste país, cada ligação você poderá indicar 10 nomes”.

Sai correndo como louco, peguei o telefone na sala e voltei para o quartinho.

“Ah agora esses infelizes vão ver o que é bom, vou me vingar mandando para o paredão todos os corruptos que têm culpa no cartório, vou mesmo fazer uma limpeza”.

Fiz umas dez ligações e ajudei a acabar com a carreira política de 100 deputados. Decidi então consultar Marechal para saber quais outros nomes eu deveria indicar nas próximas ligações, pois uma chance como esta a gente não pode perder.

Foi quando fiquei apavorado ao notar que o velho botão tinha sumido da estante, chamei-o várias vezes inutilmente. Procurei em outros lugares em meio aos livros, remexi cada canto da estante de metal e nada do Marechal.

Notei então em baixo do banco a cachorrinha Rubi, lambendo os beiços e senti um calafrio da cabeça aos pés.

___Meu Santo Deus, não pode ser! Será que o Marechal caiu aqui no chão e a cachorrinha o enguliu? ----- exclamei apavorado tomando Rubi ao colo, que me olhava com a carinha travessa. A minha suspeita fazia sentido, ela andara comendo porcarias porque estava com vermes, tinha ouvido a mulher dizer.

Fiquei em pé, um vento gelado entrava pela janela sem vidro e aquela idéia de ter perdido para sempre meu querido amigo Filósofo, acabou desencadeando-me um pranto inconsolável, e foi aí que ouvi o Velho Botão me chamando:

___Acorda! Acorda que já é tarde, e dormindo nesse banco duro vai acordar com a coluna travada...

Aliviado apaguei a luz, fechei a porta e enquanto atravessava o quintal para ir dormir no meu quarto, falei sozinho:

___Caramba, pelo menos a primeira parte do meu sonho, bem que poderia ser verdade!


CACHORRINHOS

Em uma dessas madrugadas nossa casa foi tomada pelo maior agito. É que a cachorrinha Rubi entrou em trabalho de parto e decidimos levá-la ao quartinho dos fundos onde ela se sentisse mais segura, longe dos outros cães que temos.

O velho Botão, que estava “ferrado” no sono dentro da caixa de fósforos na estante, acordou assustado com a movimentação e vestido com seu pijama listrado, meio tonto de sono, indagou:
___O mundo está acabando? O que aconteceu? Que correria é essa?

___Os cachorrinhos da Rubi estão para nascer e a gente não sabe o que fazer! – respondi.

___Mas está ocorrendo alguma complicação? --- perguntou Marechal, ajeitando os óculos na ponta do nariz.

___Sei lá, meu amigo, não entendo dessas coisas! Veja, uma parte da “bolsa” está para fora e ela parece nos pedir ajuda com o olhar desesperado.

O velho Botão pediu-me para colocá-lo bem próximo a Rubi, no seu improvisado ninho de panos velhos em baixo da escrivaninha e olhando fixamente para os olhos da parturiente ofegante, comentou momentos depois:

___De fato, ela está pedindo algo a vocês...------- acabou de me dizer....

___Puxa vida, não sabia do seu poder para se comunicar com os animais, e daí? O que ela quer? Diga logo!

___ Que apaguem a luz e a deixem em paz, ela sabe muito bem o que fazer – comentou Marechal cruzando os braços.

Argumentei que a cachorra era inexperiente, mas Marechal nada respondeu e retirou-se para um lado de onde ficou assistindo a tudo de braços cruzados, bocejante e com um leve sorriso por ver a nossa preocupação.

Quando enfim chegou a hora, a valente cachorrinha estourou a “bolsa” com os dentes e assim que a cria foi parida, devorou a placenta deixando-nos apreensivos, porque pensamos que estava devorando a própria cria, mas o Velho botão tranqüilizou-me, acenando que aquela atitude era normal.

Logo depois voltaram as contrações e nasceu mais um filhote, desta vez um lindo machinho, cor de chocolate.

No amanhecer, enquanto que as crias dormiam tranqüilamente ao lado da mãe, após a primeira mamada, o Velho Botão, preparando-se para retomar o sono interrompido, concluiu seu comentário:

___A mãe natureza é muito sábia e o instinto materno, movido pela ternura e preservação da vida, coordena as ações que você viu, garantindo assim o nascimento dos filhotes com toda segurança.  Nos animais esse instinto de preservação da vida é muito forte e as fêmeas não se opõe a ele, diferente do ser humano, que embora superior aos animais, muitas vezes se julga no direito de “matar”, ainda no útero materno, a preciosa vida que está para nascer.

NOTA DO EDITOR:
Prá quem gosta de bichinhos, a foto acima é da cachorrinha Rubi e seus filhotes, que inspiraram esse conto.


AZEDUME

___Marechal, sabe aquela minha vizinha da casa da vila industrial? --- perguntei ao velho botão, que olhava um mapa mundi na estante.

___Aquela que você vivia falando que era uma pessoa insuportável? Sei sim, o que foi que houve? Perguntou-me, virando-se para o meu lado e sentando-se na caixa de fósforos disposto a levar a conversa adiante.

___Imagine você que aquela infeliz quis arrumar “encrenca” um pouco antes de sairmos com a mudança, gritando da porta que iria chamar a polícia caso eu não levasse os dois cachorros que estavam na garagem e que a perturbava com seus latidos.

___E como foi que você reagiu? Pagou na mesma moeda ou respondeu com calma a insinuação maldosa que ela fez? – indagou-me o velho botão.

___Ah, o quê? Responder com calma aquela “mocréia” cara de mangava beronhenta? Aquela gralha cacarejante? Eu heim?

___Pelos adjetivos que empregou, parece que se zangou e perdeu a estribeira naquele momento, não é?

___Ah Marechal, um amigo que me ajudava disse-me que nunca havia me visto papo tão brabo, eu fiquei cuspindo fogo e vomitei tudo o que estava entalado na minha garganta, pelos desaforos que agüentei ao longo de todos esses anos. Coloquei aquela tarzinha no seu lugar e daí, a “coisa ruim” enrolou o rabão, abaixou o chifre e voou casa adentro. Ô diaba ruim da peste!

___Ela é doente, está possuída pelo mal que a torna assim tão amarga e azeda para com as pessoas. Você é que errou ao revidar a ofensa!

___Eu ????? Olha Marechal, acho que eu explodiria se não tivesse descarregado a minha raiva naquela criatura cruel e venenosa. Sou de carne e osso e tem coisa que não agüento...

Seguiu-se um breve silêncio como é a tática do Velho Botão, e pouco depois, quando eu fechava a porta do quartinho, Marechal concluiu:

___Pois é, ao revidar a ofensa recebida você igualou-se a ela em amargor e azedume e perdeu uma excelente oportunidade de mostrar que tem equilíbrio emocional e paz interior. O coração de quem está na paz nunca se perturba, nem mesmo diante de uma ofensa recebida.



ESTA PÁGINA É DEDICADA A CRIAÇÃO DO DIÁCONO JOSÉ DA CRUZ.



QUE DEUS ABENÇOE A TODOS NÓS!

Oh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno,
levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente
as que mais precisarem!

Graças e louvores se dê a todo momento:
ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento!

Mensagem:
"O Senhor é meu pastor, nada me faltará!"
"O bem mais precioso que temos é o dia de hoje!    Este é o dia que nos fez o Senhor Deus!  Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!".

( Salmos )

.
ARTE E CULTURA
RELIGIÃO CATÓLICA
Ajuda à Catequese
EVANGELHO DO DIA
ANO DA EUCARISTIA
AMIGOS NPDBRASIL
COM MEUS BOTÕES
LIÇÕES DE VIDA
Boletim Pe. Pelágio
À Nossa Senhora
Orações Clássicas
Consagrações
O Santo Rosário
Devoção aos Santos
Fundamentos da Fé
A Bíblia Comentada
Os Sacramentos
O Pecado e a Fé
Os Dez Mandamentos
A Oração do Cristão
A Igreja e sua missão
Os Doze Apóstolos
A Missa Comentada
Homilias e Sermões
Roteiro Homilético
Calendário Litúrgico
O ANO LITÚRGICO
Padre Marcelo Rossi
Terço Bizantino
Santuário Terço Bizantino
Santuario Theotókos
Mensagens de Fé
Fotos Inspiradoras
Bate-Papo NPD
Recomende o site
Envie para amigos
 
Espaço Aberto
 
MAPA DO SITE
Fale conosco
Enviar e-mail
Encerra Visita
 

 


Imprimir

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...


Voltar
Página Inicial |Arte e Cultura | Literatura | BOLETIM MENSAL

Parceiros | Política de Privacidade | Contato | Mapa do Site
VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...
Design DERMEVAL NEVES - © 2003 npdbrasil.com.br - Todos os direitos reservados.