ACESSO À PÁGINA DE ENTRADA DO SITE! Brasil... Meu Brasil brasileiro... NPD Sempre com você... QUE DEUS NOS ABENÇOE!
ESPECIALIDADE EM FAZER AMIGOS
AME SUA PÁTRIA!
Voltar para Home Contato Mapa do Site Volta página anterior Avança uma página Encerra Visita

NADA PODE DETER O BRASIL, O BRASIL SOMOS NÓS!

 
Guia de Compras e Serviços

GOTAS DE REFLEXÃO - EVANGELHO DOMINICAL

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...
AJUDE-NOS A CONTINUAR NOSSA OBRA EVANGELIZADORA!
A Comunidade NPDBRASIL precisa de você!
Clique aqui e saiba como fazer...



Índice desta página:
Nota: Cada seção contém Comentário, Leituras, Homilia do Diácono José da Cruz e Homilias e Comentário Exegético (Estudo Bíblico) extraído do site Presbíteros.com

. Evangelho de 23/12/2012 - 4º Domingo do Advento
. Evangelho de 16/12/2012 - 3º Domingo do Advento


Acostume-se a ler a Bíblia! Pegue-a agora para ver os trechos citados. Se você não sabe interpretar os livros, capítulos e versículos, acesse a página "A BÍBLIA COMENTADA" no menu ao lado.

Aqui nesta página, você pode ver as Leituras da Liturgia dos Domingos, colocando o cursor sobre os textos em azul. A Liturgia Diária está na página EVANGELHO DO DIA no menu ao lado.
BOA LEITURA! FIQUE COM DEUS!

Faça sua busca na Internet aqui no NPDBRASIL
Pesquisa personalizada

Ambientação:

(Valorizar os símbolos do Advento: coroa, velas, manjedoura vazia...)

Sejam bem-vindos amados irmãos e irmãs!

Maria visita IsabelINTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Quase todos os dias encontramos mulheres grávidas. Reparamos, pelo menos naquelas que são nossas conhecidas, o quanto a chegada de uma criança modifica a vida. O corpo se transforma, têm expectativas em relação ao neném, arrumam roupinhas, exigem mais cuidados. O corpo sagrado da mulher é como um tesouro que silencioso guarda uma vida! A chegada do novo exige mudanças. O tempo do Advento que hoje estamos encerrando foi tempo de preparar nossa vida para acolher o novo. Mudamos alguma coisa por causa da criança que vai chegar? Neste sentido, a liturgia de hoje nos convida a refletir sobre o verdadeiro significado do Natal e sobre a importância de valorizar o Natal com o mesmo sentimento que transbordava do coração de Maria, no encontro com sua prima Isabel.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: O último Domingo do Advento coroa a preparação para a celebração do Natal. Por isso na coroa do Advento se acende a última vela, simbolizando a chama que aqueceu nossos corações em preparação à celebração do nascimento de Jesus. Voltados para a encarnação do Verbo e ansiosos por celebrar seu nascimento, façamos desta Eucaristia um verdadeiro culto de ação de graças.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: Cristo quis nascer em Belém por dois motivos. Primeiro, porque "é da descendência de Davi segundo a carne", como se diz na Carta aos Romanos (1, 3). É a Davi que foi feita uma promessa especial a respeito de Cristo, segundo o livro dos Reis: "Oráculo do homem posto no alto, do Messias do Deus de Jacó" (23, 1). Por isso quis nascer em Belém, onde nascera também Davi, para que, pelo mesmo lugar do nascimento, aparecesse a realização da promessa que lhe tinha sido feita. É o que mostra o evangelista ao dizer: "Porque era da casa e da família de Davi". E, em segundo lugar porque, como diz Gregório: "Belém quer dizer 'casa do pão'. E o próprio Cristo afirma: 'Eu sou o pão vivo, que desceu do céu'".

Sintamos o júbilo real de Deus em nossos corações e cheios dessa alegria divina entoemos alegres cânticos ao Senhor!


(coloque o cursor sobre os textos em azul abaixo para ler o trecho da Bíblia)


PRIMEIRA LEITURA (Miqueias 5,1-4): - "Mas tu, Belém-Efrata, tão pequena entre os clãs de Judá, é de ti que sairá para mim aquele que é chamado a governar Israel."

SALMO RESPONSORIAL 79/80: - "Iluminai a vossa face sobre nós, convertei-nos para que sejamos salvo! "

SEGUNDA LEITURA (Hebreus 10,5-10): - "Eis que venho para fazer a tua vontade"

EVANGELHO (Lucas 1,39-45): - "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre."



Homilia do Diácono José da Cruz — 4º Domingo do Advento — ANO C

"Na Esperança dos Pobres, Deus mesmo está presente"

Há algo que passa quase despercebido nessa liturgia, a primeira leitura faz uma referência á pequenina Belém, de onde surgirá o Messias, na profecia de Miquéias. O texto não exalta o grande Rei Davi com sua força e seu grande poder durante o seu reinado, mas foca em primeiro lugar aquilo que ele era em Belém, antes de ser ungido: um simples Pastor, o versículo 3 confirma isso quando afirma que “Ele não recuará, apascentará com a Força do Senhor...em um segundo momento diz também...com a majestade de do nome do Senhor.Mas a ação primeira mencionada pelo Profeta é o verbo apascentar...

Era essa a verdadeira função de um Rei, apascentar seu povo, conduzi-lo, dar-lhe toda segurança, guiá-lo por caminhos e situações seguras, e defendê-lo diante dos perigos. No último parágrafo da primeira leitura, o profeta fala que ele, o Messias, estenderá o seu poder até os confins da terra e ele mesmo será a Paz.Aqui a palavra Poder, não é aquele que manda e domina (desses o nosso povo já está por aqui), mas sim a possibilidade de fazer o bem ao seu povo.

É nessa mesma linha de Davi que virá o Messias, o Rei Davi andou exagerando ao ocupar o trono, andou metendo os pés pelas mãos, esquecendo-se da função primeira de um Rei, que era a de proteger e defender o seu povo, igual nossos governantes de hoje...

Isabel olha para Maria, e iluminada pelo Espírito Santo percebe nela a presença desse Rei Messias, que como Davi tinha origem humilde em Belém, alguém de origem Divina, que iria atender todos os anseios de Vida e Liberdade do seu povo.Está agora explicado por que João Batista deu uma pirueta no ventre de Isabel, ali estava o Resgatador, o Redentor, o Libertador, o Deus dos pobres e pequenos, presente na Esperança e na Fé de Maria Santíssima. A Saudação inicial de Maria é uma bela oração e se resume no desejo a Isabel do “Shalon da Paz”.

Na celebração, quando saudamos os irmãos e irmãs, não se trata de um mero cumprimento aos mais amigos e conhecidos, mas de uma invocação, para que o Cristo da Paz esteja habitando o mais profundo do outro, e quando isso de fato ocorre, a saudação nos alegra e ajuda a aumentar o sonho e a esperança do Reino que Jesus semeou... Lembrando sempre que o lugar preferido de Deus, manifestado em Jesus, é no coração e na vida dos mais simples e pobres, como Davi, Pastor de Belém, e como Maria, aquela que se fez Serva de Deus e do seu povo...

José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail  jotacruz3051@gmail.com


Homilia do Padre Françoá Costa — 4º Domingo do Advento — ANO C

Maria e o Advento

Assim como Maria levou o Menino Jesus a Isabel e ao pequeno João Batista, também será ela quem nos trará Jesus que alegrará o nosso coração e nos fará exclamar também que a Mãe e o Filho são benditos (cf. Lc 1,42). Aproxima-se o grande dia: Maria Santíssima está já muito próxima de dar a luz. Sem dúvida, uma das devoções que melhor nos preparará para o Natal é a devoção a Nossa Senhora, que podemos concretizar na reza do terço e em fazê-lo com maior atenção, piedade e devoção. Não tenhamos medo de amar mais a Nossa Senhora e de ter por ela um carinho todo especial. Uma das orações mais carinhosas e mais persistentes que podemos dirigir a Nossa Senhora é o Santo Rosário, o Terço, que é uma repetição filial e carinhosa. Como as crianças que estão aprendendo a falar: “Mamãe!” e só sabem falar isso no começo. Nós também sabemos dizer-lhe: “Ave Maria!”. E assim como as mães gostam de ouvir o balbucio de seu filhinho que diz “mamãe!”, de maneira semelhante Nossa Senhora ficará maravilhada cada vez que nós dissermos: “Ave Maria!”.

O Santo Rosário é uma repetição carinhosa, amorosa e cheia de pedidos. Não é uma oração monótona porque o amor não é monótono, ao contrário, é cheio de criatividade. Tampouco podemos permitir que a repetição da Ave-Maria seja uma oração meio vazia. E se, ainda assim, as Ave-Marias continuam monótonas, o melhor será não rezar mais o terço? De maneira alguma! Nossa Senhora também nos entende a cada Ave Maria, ainda que sejam monótonas! Que mãe não entenderia ao seu filho de colo com o qual está falando e que de repente dorme apoiando a cabecinha no seu ombro? Tenho certeza que essa mãe não considerará esse gesto como falta de respeito. Ao contrário, pegará a sua criancinha e a colocará, sem fazer barulho, no berço.

O segundo mistério gozoso do terço é a visitação. O relato evangélico de hoje o descreve (cf. Lc 1, 39-45). É verdade que já o temos contemplado várias vezes ao rezar o nosso terço diário. Terço diário? “Talvez eu não o reze!” – dirá alguém. Quem sabe não é uma dessas práticas que valeria a pena inserir no seu plano de vida espiritual a partir de hoje? Caso você não saiba como rezá-lo, peça a algum amigo que lhe ensine. Não é difícil, é até simples demais! É verdade que com certa freqüência as pessoas tendem a complicar essa prática tão singela com muitas jaculatórias e várias orações intercaladas. O terço é, basicamente, a contemplação de cinco mistérios da vida do Senhor ou de Nossa Senhora, sendo que cada um se compõe de um Pai-Nosso, dez Ave-Marias e um glória ao Pai. E nada mais! As outras orações são acréscimos pessoais ou comunitários, oportunos às vezes, outras não.

Dizia S. Pio X que depois da Santa Missa a oração mais eficaz é o Rosário. João Paulo II tinha no Rosário a sua “oração preferida”. Que nada impeça a devoção a Nossa Senhora: não podemos dar ouvidos àquelas pessoas que procurar fazer com que ignoremos a Mãe de Deus e nossa. Sejamos muito marianos! O Rosário é eficaz para que possamos conseguir as graças do céu: santidade, fidelidade no casamento, castidade, fortaleza, presença de Deus etc.

A visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel inclui o Magnificat, um canto cheio de alegria, gozo e ação de graças que Maria Santíssima oferece ao Altíssimo por tudo o que fez por ela, pelo seu povo e por todos nós. Aprendamos da Nossa Mãe do céu a ser muito agradecidos. A pessoa agradecida sempre deixa atrás de si a simpatia cultivada, cuja recordação será como que um “cheque em branco” que garante novas graças.

É preciso ser devotos de Nossa Senhora, ser-lhe agradecidos, pedir-lhe muitas graças e estar muito perto dela nestes últimos 5 dias que faltam para o Nascimento do nosso único Senhor e Salvador Jesus Cristo. Não é idolátrica a devoção a Nossa Senhora, quem disser o contrário simplesmente não entende o valor que tem uma mãe. É indiscutível!

Pe.Françoá Rodrigues Figueiredo Costa - 20/12/2009


Comentário Exegético — 4º Domingo do Advento — ANO C
(Extraído do site Presbíteros - Elaborado pelo Pe. Ignácio, dos padres escolápios)

EPÍSTOLA Hb 10. 5-10

INTRODUÇÃO: No seu empenho em mostrar a nova era como tendo fundamento no novo e único sacerdócio de Cristo, o autor da carta traz um texto dos Salmos, em que a palavra de Jahveh rejeita os antigos sacrifícios e consequentemente o sacerdócio correspondente, para mostrar o novo sacerdote e o único sacrifício do seu próprio corpo, Cristo, que voluntariamente se oferece como holocausto e vítima pelos pecados. Os sacerdotes da nova Lei não são unicamente representantes, mas são o Cristo que,  como membros de seu corpo, também oferecem esse sacrifício, como encarnando o Cristo da última ceia. Por isso, não dizem isto é seu corpo, mas isto é meu corpo. Tremendo poder e excelência do ministério sacerdotal que realiza uma nova encarnação e que deve ter como modelo a Virgem Mãe que O ofereceu aos pastores e magos nos primeiros instantes de sua entrada no mundo. Ela, pois, deve estar presente como modelo e como mãe  em toda vocação sacerdotal.

OFERECIMENTO DE CRISTO: Portanto, entrando [eiserchomenos=ingrediens] no mundo [kosmon=mundum] diz: hostia [thusian=hostiam] e oferta [prosforan=oblationem] não quiseste; porém, um corpo me preparaste [katërtisö=aptasti] (5). Ideo ingrediens mundum dicit hostiam et oblationem noluisti corpus autem aptasti mihi. ENTRANDO: é o particípio  presente do verbo Eiserchomai com o significado de entrar e metafóricamente como adquirir uma nova existência ou condição de vida, como conseguir um emprego, ou entrar numa terra estranha. Vejamos os exemplos.  José tomou o menino e sua mãe e veio para a terra do Egito (Mt 2, 21). Se vossa ética não ultrapassar a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos céus (Mt 5, 20). Quando orardes entra dentro do teu quarto (Mt 6, 6). No nosso caso particular, nesta epístola entra 15 vezes; delas temos os que não entram no lugar do repouso de Deus [alusão à terra prometida] (9vezes) e a entrada do Sumo Sacerdote no lugar mais santo (5vezes) e finalmente este da entrada no mundo de Cristo. MUNDO: O Kosmos grego significa uma ordem harmoniosa, ordem, governo; a ordem celeste, ou o exército celestial; o Universo; a terra; os habitantes da terra ou a família humana; a massa dos homens oposta aos planos divinos; os negócios mundanos; as riquezas, prazeres e honras que constituem um obstáculo à causa de Cristo e do evangelho; o conjunto dos gentios em contraste com os judeus (Rm 11, 12) o conjunto dos crentes (Jo 1, 29 e 1 Cor 4, 9). Como sinônimo podemos usar aiön que propriamente significa idade ou era, pois se Kosmos [mundus] é contemplado sob o aspecto de espaço, Aiön [seculum] implica a ideia de tempo. O grego, como o latim, tem duas palavras diferentes enquanto o português usa uma só palavra; como exemplo, o fim deste mundo [kosmos ou mundus] ou aiön [saeculum ou era] (Mt 13, 39) e a  sabedoria deste mundo [aiönos  e seculi]. Neste caso particular Kosmos significa o conjunto humano, como vemos em Mt 13, 38: o campo é o mundo[kosmos]. A boa semente são os filhos do reino, os joios (sic) são os filhos do maligno. HOSTIA E OFERTA: A primeira está unida ao sacrifício, especialmete se é holocausto e a segunda a uma oblação ou dádiva que não implica um sacrifício (ver explicação em 25 outubro epístola de 8 de novembro). UM CORPO: Em grego Soma é a tradução da Septuaginta por Basar hebraico ou o corpo físico de  um homem ou animal. A lanterna de teu corpo é o olho dirá Lc 11, 34. PREPARASTE-ME: O verbo Katartizö é ajustar, adaptar, encaixar, como um vestido. O mais semelhante é Hb 11, 3: através da fé, entendemos que os mundos foram modelados pela palavra de Deus. Nada melhor como comentário que as palavras de Paulo aos Fp 2, 7: (Cristo) despojou-se tomando a condição de servo tornando-se semelhante aos homens, e por seu aspecto, reconhecido como homem. Se Deus é imutável em sua natureza, ao tomar um corpo humano, se tornou limitado e sujeito à mudança, crescimento; assim, em Cristo, nós podemos dar glória e completar o crescimento do próprio Deus (Cl 1, 24) sem mudança de sua natureza divina, mas com opção a um crescimento de sua glória interna e substancial. Deus se alegra e se entristece em Cristo e é neste que somos enxertados para crescer com Ele e com Ele triunfar. Se em Cristo Deus se abaixa, em nós Ele encontra sua grandeza, sua glória e seu crescimento, de modo que tudo é arquitetado e harmonizado para sua honra (Rm 15, 6). Pois Deus não pode ter outro fim nos seus planos que a si mesmo.  O autor explicará no versículo seguinte.

INVALIDEZ DOS SACRIFÍCIOS ANTIGOS: Com holocaustos [olochautömata=holocaustomata] e (sacrifícios) pelo pecado  não te deleitaste [eudokësas=placuit] (6). Holocaustomata et pro peccato non tibi placuit. HOLOCAUSTOS: A palavra grega composta de holos [tudo] e kaustos adjetivo do verbo Kaiö [queimar] indica um sacrifício oferecido à divindade em que todo o animal é queimado, sem haver participação no banquete sagrado, como eram outras vítimas em que o banquete sagrado constituia parte de sacrifício. Em hebraico é Olah que a Setenta traduz por holokarposis e que no NTé holochautömata unicamente em Mc 12, 33 e Hb 10, 6 e 8. Entre os autores patrísticos unicamente encontramos a palavra holochaustomata em Tertuliano. O latim toma materialmente a palavra sem traduzi-la. A tradução comum portuguesa é holocausto. A diferença entre as duas palavras gregas é que holocausto é um nome estático que indica uma coisa e holocaustomata é um nome de uma ação, ou o ato de oferecer um sacrifício completo: seria como traduzir sacrifício de holocausto. Por isso, diante de pelo pecado não encontramos a palavra sacrifício que temos colocado em parêntese para indicar que está fora do texto e como necessária para a compreensão do mesmo. As categorias dos sacrifícios cruentos, dos quais fala naturalmente nosso autor, eram três: 1 –Holocausto, queima total, exceto a pele e o músculo da cadeira. Era o sacrifício contínuo que devia ser feito duas vezes ao dia: de manhã e ao anoitecer. 2 -Expiatórios, divididos em pelo pecado e pela culpa. O primeiro orientado à absolvição do pecado (expiação) e o segundo à restituição do dano cometido (satisfação) [ambos incluídos na cruz]. 3 -Oferendas de paz [Shelamim], divididas em sacrifício de louvor, cumprimento de um voto e oferendas voluntárias. O sacrifício da cruz foi de expiação e logo se transformou em pacífico na Eucaristia, como sacrifício de Louvor. NÃO TE DELEITASTE: O verbo Eudokeö significa encontrar prazer, deleitar-se, preferir, estar comprazido, encontrar agrado. Cristo foi do agrado do Pai (Mt 3, 17) e por ele todo homem, que nele completa a presença de Cristo (Ef 4, 13). Habitando em Cristo corporalmente a plenitude da divindade (Cl 2, 9) toda glória devida a Cristo é dada a Deus: Um Deus infinito em natureza se transforma pessoalmente num homem finito que pode crescer, admitir glória e chegar a alcançar sua completa maturidade em si e na Igreja que é sua plenitude (Ef 1, 23) como seu corpo, à semelhança dEle que, em seu corpo, é a plenitude ou totalidade da divindade [a divindade está completa no corpo dEle] (Cl 1, 19) e cada membro dessa sua Igreja, pela fé e o conhecimento completo [o definitivo de face a face] entrará a formar parte dessa totalidade que é Cristo (Ef 4, 13) de modo a ser Cristo tudo em todos (Cl 3, 11). Por isso, Paulo dirá que o mistério (Ef 3, 3), onde podemos supor que o motivo da ação divina  em todas as ordens [conhecimento pleno de tudo segundo Paulo] é Cristo. Nele, Deus, imutável e eterno, cresce e nasce em cada batizado que não é só figura de Cristo, mas é a plenitude [o que completa Cristo para glória de Deus, o Pai]. Não só devemos chamá-lo Pai por sua bondade, mas porque, como Cristo, dele temos nascido pelo Espírito e pela água (Jo 3, 5). Primeiro Cristo, pois nele só habita a plenitude da DIVINDADE;  e logo nós, por participação, mas real e verdadeiramente, sendo a Eucaristia como o carimbo dessa sobrenatural presença em nosso interior. Como diz S. Anselmo, as criaturas, não só estão regidas pela presença orientadora e invisível de Deus, seu Criador, mas usando delas visivelmente, as santifica.

VOLUNTARIADO DE CRISTO: Então disse eu: eis, aqui venho [ëhö=venio]. No cabeçalho [kefalidi=capitulo] do livro está escrito a meu respeito para fazer, ó Deus, tua vontade (7). Tunc dixi ecce venio in capitulo libri scriptum est de me ut faciam Deus voluntatem tuam. Tunc dixi ecce venio in capitulo libri scriptum est de me ut faciam Deus voluntatem tuam. Superius dicens quia hostias et oblationes et holocaustomata et pro peccato noluisti nec placita sunt tibi quae secundum legem offeruntur VENHO: É A tradução do verbo ËKO, que significa ter chegado, estar presente. A tradução própria seria: acabo de chegar. KEFAKIDI: podemos facilmente traduzir por no cabeçalho. Referido aos pergaminhos da época eram os extremos das duas varas de madeira em que estavam enrolados os rolos da escrita, pois se assemelhavam a pequenas cabeças e, entre os escritores de Alexandria, o nome representava o próprio rolo de papiro ou pergaminho, que mais tarde, em forma de volume, era o livro [biblion] correspondente. O livro citado é o salmo 40, 6-8: Sacrifícios e ofertas não quiseste; abriste os meus ouvidos; holocaustos e ofertas pelo pecado não requeres(6).      Então eu disse: Eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito(7); agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração está a tua Lei.

NOVA ERA: Dizendo acima [anöteron=superius] que hóstia e oferta e sacrificio de holocausto e pelo pecado não quiseste nem te agradaste, os quais segundo a lei são oferecidos(8). Então [tote=tunc] falou [eirëken=dixit]: eis que estou para fazer, ó Deus, tua vontade. Arranca [anairei=aufert] o primeiro [pröton=primum] para que o seguinte [deuteron=sequens] se firme [stësë=statuat](9). Superius dicens quia hostias et oblationes et holocaustomata et pro peccato noluisti nec placita sunt tibi quae secundum legem offeruntur.Tunc dixit ecce venio ut faciam Deus voluntatem tuam aufert primum ut sequens statuat. ACIMA: Anöteros tem o significado de mais alto, quando de moção para um lugar elevado e, sem ação, acima. O autor cita o livro e diz acima, nessa citação, parece confirmar, ou melhor afirmar, que estes sacrifícios eram, ao parecer, do agrado de Deus porque estavam prescritos na Lei e esta era a palavra de Deus. E, não obstante, na realidade, não eram de seu agrado, como diz o texto citado. É fazer a vontade divina, o único ato que agrada a Deus. Por isso, nesta segunda parte, Cristo se oferece a realizar a vontade de Deus. E o autor da epistola prossegue com o ENTÃO: O vocábulo Tote,temporal, é traduzido como nesse tempo, então, nesse momento. Em Hebreus temos 3 casos (10, 7;10,9 e 12,26). Em todos eles é um advérbio que retoma o discurso para indicar uma linha nova de ação. FALOU: No lugar de eipon [dixi] (7) o grego usa eirëken [dixit] no atual versículo. Além de mudar o verbo, muda a pessoa. Qual a diferença? Epöb é usado só no perfeito como eipon [disse] do V 7, e nos demais tempos usa-se o verbo Ereö. Embora legö seja o simples dizer, erö, ereö e fëmi respondem a uma intervenção particular que poderíamos traduzir por pronunciar. No caso, usamos o falar como se aqui Cristo entrasse de um modo abrupto para expressar uma opinião particular. ARRANCA: O verbo Anairö tem como significado material levantar e, metaforicamente, arrancar, eliminar, extinguir, suprimir, riscar. Esta parte do versículo é ou pertence ao pronunciamento de Cristo. Em definitivo, Cristo pede por meio do autor que os sacrifícios antigos, que não satisfaziam, sejam substituídos por um novo sacrifício que cumpre a vontade de Deus. Será o de seu próprio corpo. Com isto, Cristo se transforma em vítima além de sumo sacerdote.

Em cuja vontade [thelëmati=voluntate] somos santificados [ëgiasmenoi=sanctificati] os que através da oferenda [prosforas=oblationem] do corpo de Jesus Cristo de uma vez [efapax=in semel](10).In qua voluntate sanctificati sumus per oblationem corporis Christi Iesu in semel. Agora, deixando o protagonismo de Cristo, encontramos uma reflexão do escritor da epístola, que usa o AT como argumento de que Cristo é o novo sacerdote da nova Lei e de que em seu único sacrifício, sem que existam outros, nós encontramos a graça de Deus de modo a sermos purificados dos pecados e portanto, santificados ou justificados, como diria Paulo. Essa sua vontade de substituir os antigos sacrifícios, completada com a oblação corporal de Cristo [oferenda ou prosfora], foi feita uma só vez [efapax]. Paulo dirá em Rm 6, 10: Ele morreu de uma vez para sempre para o pecado, E assim, como este mesmo sacrifício na cruz, se completa com a entrada no mais íntimo santuário, como foi a sua ascensão aos céus.

Evangelho (Lc 1,39-45)

MARIA: Naqueles dias, dispondo-se, Mariam foi apressadamente à região montanhosa a uma cidade de Judá (39). Exsurgens autem Maria in diebus illis abiit in montana cum festinatione in civitatem Iud. MARIAM: Os biblistas falam de uma raiz cananeia-ugarítica (lingua semita do norte da Mesopotâmia) MRYM, que é em hebraico MIRYAM com as vogais massoréticas (século IX dC). Foi traduzida ao grego dos setenta (séc II aC) por Mariám e ao latim Maria.(Êx 15,20). No NT temos dois evangelistas que preservam o nome traduzido pelos setenta: Mateus em 13, 55: quando Jesus enfrenta seus conterrâneos em Nazaré, estes murmuram dizendo: ”Não se chama sua mãe Mariám”?. E Lucas usa o nome Mariám 12 vezes. É interessante que as outras MARIAS do evangelho, tanto a Madalena como a irmã de Lázaro e a mãe de Tiago e José, são Maria em grego e latim. Portanto, podemos dizer que seu nome era Mariám, ou Mariamme. Que significa este nome? Da raiz ugarítica podemos afirmar que o seu significado é excelsa, ilustre, ou egrégia.

A MONTANHA: É um  termo técnico, como se falássemos do sertão no Brasil ou da mata em Minas. Segundo o livro de Josué a Judeia estava dividida em três partes, que a Mishná considera essenciais para a distribuição dos frutos: a montanha, do Jordão a  Bethoron; a planície, de Bethorom a Lida; e o vale, de Lida até o mar. São três faixas norte-sul de aproximadamente 20 Km de largura cada uma. A montanha era a mais oriental em que estava situada a própria Jerusalém. Segundo uma tradição, anterior às cruzadas (séc XI dC), a cidade onde morava Zacarias, em cuja casa se dirigiu Maria, era Ain Karim, pequena vila perto de Jerusalém. Outros a querem em Hebron, cidade sacerdotal por excelência, ao sul da capital e perto do deserto de Negueb.

ISABEL: Entrou na casa de Zacarias e saudou Elisabet (40). Et intravit in domum Zacchariae et salutavit Elisabeth. Elisabet, ( Deus pactua)  segundo o texto, tinha o mesmo nome que a mulher de Aarão, o irmão de Moisés e era descendente daquele, o primeiro sumo sacerdote ente os hebreus (Êx 6,23). De Elisabet ou Elisabeth provém também a palavra Elisa. Existe uma linha paralela entre as duas mulheres do AT e as duas do NT como se fossem estas últimas substituição sacerdotal no NT do AT, como diz a epístola aos Hebreus?

PULOU: Ouvindo esta saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre. Então, Elisabet ficou possuída do Espírito Santo (41). Et factum est ut audivit salutationem Mariae Elisabeth exultavit infans in utero eius et repleta est Spiritu Sancto. Deu um salto ou saltos, é a tradução do grego. É o mesmo verbo com que os setenta narram a luta no ventre de Rebeca dos dois gêmeos Esaú e Jacó. Um movimento violento que a mãe percebe imediatamente. A causa foram as palavras de Maria na saudação. Nada de especial entre duas mulheres que eram parentes (Lc 1, 36). A saudação seria o costumeiro Shalom (paz). Mesmo sabendo que a voz ouvida era a de Maria, poderíamos afirmar que foi o comparecimento de Jesus no ventre de sua mãe, que excitou o futuro arauto a proclamar a presença de quem devia mais tarde anunciar. Sabemos que eram poucos dias os transcorridos desde a concepção, porque Maria se levantou, e foi apressadamente à montanha. Portanto, não se precisam de três meses para afirmar que um feto é humano, como a lei determina para o limite do abortamento legal. Tanto Elisabet como o menino chamam Maria de mãe; logo o que no ventre dela se está formando é um filho verdadeiro.

CHEIA DE ESPÍRITO DIVINO: Esta é a tradução direta do grego, o que não exclui a tradução tradicional de Cheia do Espírito Santo. Era o Espírito do Senhor dos profetas como aconteceu com Saul que foi tomado por esse Espírito no meio do coro de profetas em Guibeá (1Sm 10, 10). No NT o Espírito do Senhor se transforma em Spiritus SanctusEspírito Divino, ou Espírito Santo como as bíblias traduzem em  Mc 12, 36  quando Jesus fala de Davi como inspirado pelo Espírito, o Divino( en to pneumati to agio). De modo que o que antigamente era Espírito do Senhor agora será,  através da revelação da Trindade, Espírito Santo. Esse Espírito é o mesmo do qual estará cheio João desde o seio de sua mãe. Sem dúvida que nos pulos de alegria do feto, o evangelista enxerga o espírito profético de quem Jesus diria que é mais do que um profeta (Mt 11, 9). Ele entra na categoria dos que apontam: este é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1, 29).

BENDITA: E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre! (42). Et exclamavit voce magna et dixit benedicta tu inter mulieres et benedictus fructus ventris tui. Traduzimos Eulogemene por abençoada. Uma passiva com um verbo que inicialmente significa louvar, mas que na passiva implica uma ação divina que não pode ser outra a não ser uma ação predominante, favorável, de grande mercê por parte de Deus. Como as línguas semitas usam o comparativo no lugar do superlativo a frase significará: És a mais favorecida por Deus das mulheres. Uma outra tradução pode ser a de ser louvada, e a tradução seria: Serás a mais exaltada das mulheres. Diferentemente ao Makarios das bemaventuranças cujo significado é feliz, ditoso, o eulogemene de Maria está na série do kecharitomene (superfavorecida) do anjo quando da saudação em Lc 1, 28. Na época, a bênção de uma mulher era devida a seus filhos. E isso é o que Isabel declara na continuação, como foi a bênção dada por uma mulher a Maria em Lc 11, 27: Ditoso o ventre que te gerou e os seios que te amamentaram. Os árabes falam de baraka (da raiz semita berak = bendizer), ou seja, a sorte ou sina de quem é privilegiada por Alá. Eles respeitam essa pessoa como os shintoístas (religião oficial do Japão) respeitam uma árvore atingida por um raio. Constituem o sagrado dentro da predileção divina. Para os gregos e romanos,  também a pessoa a quem matou um raio era tão sagrada quanto o imperador, pois se considerava eleito de Zeus ou Júpiter, e podia ter sua estátua como privilégio. Isabel parece que iguala a mãe com o filho do qual afirma também ser louvado. Melquisedec abençoa de modo duplo tanto Abraão como Deus: Bendito seja Abraão pelo Deus Altíssimo que criou céu e terra. Bendito seja o Deus Altíssimo que entregou teus inimigos às tuas mãos (Gn 14, 19-20). A primeira bênção de Elisabet é uma comparação entre mães, a segunda é uma bênção absoluta, referida a um futuro homem que será extraordinário aos olhos de Deus: Bendito o fruto do teu ventre.

A MÃE DO MEU SENHOR: De onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? (43). Et unde hoc mihi ut veniat mater Domini mei ad me. A frase é semelhante à pronunciada por Davi em 2 Sm 6, 9: “Como poderia vir à minha casa a arca do Senhor”? A saudação de Isabel compara Maria com a arca da aliança. E por isso, Lucas diz que Maria esteve três meses em casa de Zacarias, os mesmos três meses que esteve a arca na casa de Obededon. Meu Senhor significa no AT meu rei. E Maria seria a rainha como mãe de um rei exatamente como em 1Rs 2, 19: Mandou por um trono para a mãe do rei. Mas o importante é que Jesus é chamado Senhor ou Kyrios, que pode ser uma identificação com Yahveh que é o Kyrios dos Setenta. A expressão meu Senhor aparece de novo em Lc 20,41-44 citando o salmo 110. O Senhor é Yahveh e meu Senhor tem um significado claramente messiânico. Um comentário evangélico vê nesta frase Mãe do meu Senhor uma identificação com o título oficial de Maria em Éfeso de Mãe de Deus (John Gill).

FELIZ TU QUE ACREDITASTE: Pois logo que me chegou aos ouvidos a voz de tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim (44). Bemaventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor (45). Ecce enim ut facta est vox salutationis tuae in auribus meis exultavit in gaudio infans in utero meo. et beata quae credidit quoniam perficientur ea quae dicta sunt ei a Domino. O que tinha sido uma bênção, unida à mercê divina, agora se transforma numa felicitação. O termo grego MAKARIOS é um termo que indica felicitação a uma pessoa pela sorte que lhe tocou. O termo está para ressaltar o lado positivo quando a maioria das pessoas estaria com a sorte contrária. Sem dúvida que a ênfase está na fé de Maria e não no cumprimento ou realização das palavras proferidas pelo Senhor (seu anjo ou mensageiro em questão). Diante do fato de Zacarias, seu esposo, que duvidou e foi castigado com mudez por não acreditar nas palavras do anjo que se realizariam no seu tempo, Isabel realça a fé de Maria. Além de mãe ela é crente e por isso acontecerá uma grande felicidade em sua vida: o que acreditou verá cumprido pormenorizadamente. Ver cumpridas as promessas do Senhor na própria vida é o que Josué exortava no seu testamento (Js 23,14).

PISTAS:
1) A visita de Maria a Isabel não responde a nenhum interesse humano; é um ato de amor. Ela carregava Jesus no seio e quer estar presente no parto de uma mãe necessitada. Com um pouco de imaginação podemos supor que Maria conhecia o fato de Zacarias estar parcialmente inválido. Não era só a fala, mas possivelmente parte do corpo que foi atingido por um infarto ou icto cerebral. Isabel embora anciã, poderia tomar conta do velho esposo. Mas agora com uma criança a vir e provavelmente sem parentes próximos a não ser Maria, estava em situação delicada. Maria, que sem dúvida sabia das dificuldades de Zacarias, agora quer ser o anjo de Isabel. Por isso sua visita convida a todos a realizarem o mesmo ato de amor ou solidariedade como agora se diz com anciãos que não têm filhos ou parentes que cuidem deles.

2) Dessa sua ajuda que hoje chamamos humanitária devemos aprender também nós. Nossas visitas devem levar o conforto de Jesus aos velhos, às mães em dificuldade, aos necessitados.

3) Todos devemos atuar como Maria, com seu espírito de assistência, porque a sociedade, a Igreja e o próprio evangelho exigem de nós algumas horas semanais para aliviar muitas necessidades, de modo  que com as visitas e o conforto de nossas palavras ajudemos os que vivem sós, porque não têm filhos, nem familiares que os assistam.

4) Das poucas páginas que o evangelho dedica a Maria podemos deduzir que era uma criatura preocupada com o bem dos outros. Assim aconteceu nas bodas de Caná. Se na sua vida terrena os limites do corpo, do espaço e do tempo restringiam sua ação benéfica, hoje ela não encontra impedimentos para atender as necessidades de seus devotos que segundo suas palavras a Juan Diego no México, considera como filhos. A Ave-Maria que muitos lhe dedicam diariamente é uma garantia de que ela, em nome de quem exaltou a sua insignificância, os visitará como visitou Isabel para que a misericórdia do Senhor seja reconhecida como fidelidade de quem cumpre sua palavra em exaltar os mais pequeninos.


EXCURSUS: NORMAS DA INTERPRETAÇÃO EVANGÉLICA

- A interpretação deve ser fácil, tirada do que é o evangelho: boa nova.

- Os evangelhos são uma condescendência, um beneplácito, uma gratuidade, um amor misericordioso de Deus para com os homens. Presença amorosa e gratuita de Deus na vida humana.
- Jesus é a face do Deus misericordioso que busca o pecador, que o acolhe e que não se importa com a moralidade ou com a ética humana, mas quer mostrar sua condescendência e beneplácito, como os anjos cantavam e os pastores ouviram no dia de natal: é o Deus da eudokias, dos homens a quem ele quer bem e quer salvar, porque os ama.

Interpretação errada do evangelho:

- Um chamado à ética e à moral em que se pede ao homem mais que uma predisposição, uma série de qualidades para poder ser amado por Deus.
- Só os bons se salvam. Como se Deus não pudesse salvar a quem quiser (Fará destas pedras filhos de Abraão).

Consequências:

- O evangelho é um apelo para que o homem descubra a face misericordiosa de Deus [=Cristo] e se entregue de um modo confiante e total nos braços do Pai como filho que é amado.
- O olhar com a lente da ética, transforma o homem num escravo ou jornaleiro:aquele age pelo temor, este pelo prêmio.
- O olhar com a lente da misericórdia, transforma o homem num filho que atua pelo amor.
- O pai ama o filho independentemente deste se mostrar bom ou mau. Só porque ele é seu filho e deve amá-lo e cuidar dele.
- Só através desta ótica ou lente é que encontraremos nos evangelhos a mensagem do Pai e com ela a alegria da boa nova e a esperança de um feliz encontro definitivo. Porque sabemos que estamos na mira de um Pai que nos ama de modo infinito por cima de qualquer fragilidade humana.


FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...
AJUDE-NOS A CONTINUAR NOSSA OBRA EVANGELIZADORA!
A Comunidade NPDBRASIL precisa de você!
Clique aqui e saiba como fazer...





16.12.2012
3º Domingo do Advento — ANO C
(ROXO, CREIO, PREFÁCIO DO ADVENTO I – III SEMANA DO SALTÉRIO)
__ "Alegrai-vos sempre no Senhor, pois Ele está perto!" __

EVANGELHO DOMINICAL EM DESTAQUE

CLIQUE AQUI E VEJA UMA APRESENTAÇÃO ESPECIAL SOBRE A LITURGIA DESTE DOMINGO
FEITA PELA NOSSA IRMÃ MARINEVES JESUS DE LIMA


(antes de clicar - desligue o som desta página clicando no player acima do menu à direita)

 

Ambientação:

(Valorizar os símbolos do Advento: coroa, velas, manjedoura vazia...)

Sejam bem-vindos amados irmãos e irmãs!

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Estamos com uma celebração que proclama a alegria do Natal, entendido como presença de Deus no meio do povo e possibilitando participar de sua salvação. Este é o motivo principal do "Domingo gaudete". Alegria que deve ressoar no coração de cada homem e mulher. Portanto, é uma celebração que dirá a cada um de nós que viveremos em constante advento se vivermos na esperança de quem acolhe a Boa Notícia da alegria divina que nunca se entristece dentro de nós. A alegria, porém, não poderá ser ofuscada pelo consumismo nem por interesses egoístas. Alegremo-nos todos nos Senhor, ele está perto. Realizaremos hoje a coleta para a sustentação da evangelização, na Igreja do Brasil.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: O terceiro Domingo do Advento, também chamado Domingo da Alegria, nos inspira felicidade pela proximidade do Natal. É com este espírito que se acende a terceira vela da coroa do Advento. Mais uma vez lembramos que hoje é o dia da coleta em favor da Evangelização, como pede a CNBB a todo o País. Que a presença do Senhor nos torne mais dóceis e solidários com os que mais sofrem e com todos os destinatários da mensagem do Evangelho, a Boa-Nova da Salvação. Neste Ano da Fé, a Coleta para a Evangelização tem uma motivação especial, pois o objetivo é arrecadar meios para levar ou reacender a fé, a fim de que todos vivam a graça da filiação divina que o Batismo concede.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: O tema deste 3º Domingo pode girar à volta da pergunta: "e nós, que devemos fazer?" Preparar o "caminho" por onde o Senhor vem significa questionar os nossos limites, o nosso egoísmo e comodismo e operar uma verdadeira transformação da nossa vida no sentido de Deus. O Evangelho sugere três aspectos onde essa transformação é necessária: é preciso sair do nosso egoísmo e aprender a partilhar; é preciso quebrar os esquemas de exploração e de imoralidade e proceder com justiça; é preciso renunciar à violência e à prepotência e respeitar absolutamente a dignidade dos nossos irmãos. O Evangelho avisa-nos, ainda, que o cristão é "batizado no Espírito", recebe de Deus vida nova e tem de viver de acordo com essa dinâmica. A primeira leitura sugere que, no início, no meio e no fim desse "caminho de conversão", espera-nos o Deus que nos ama. O seu amor não só perdoa as nossas faltas, mas provoca a conversão, transforma-nos e renova-nos. Daí o convite à alegria: Deus está no meio de nós, ama-nos e, apesar de tudo, insiste em fazer caminho conosco. A segunda leitura insiste nas atitudes corretas que devem marcar a vida de todos os que querem acolher o Senhor: alegria, bondade, oração.

Sintamos o júbilo real de Deus em nossos corações e cheios dessa alegria divina entoemos alegres cânticos ao Senhor!

Uma nota especial do Webmaster para esta data:

Caríssimos Irmãos e Irmãs,

Estamos no início de um novo Ano Litúrgico, ou seja, as Leituras e Liturgias de cada tempo ou ciclo do ano litúrgico são diferenciadas e organizadas em ANO A, ANO B e ANO C. Isto significa que o cristão, católico assíduo que vá à missa todos os dias ou que pelo menos leia e estude a Liturgia Diária, em três anos completos terá lido e estudado toda a Bíbilia, e mais ainda: se praticar com amor em sua vida o que ler e aprender todos os dias, em três anos terá acumulado bençãos incalculáveis no caminho da Paz e da Santidade. - Clique aqui para saber mais sobre o Ano Litúrgico


(coloque o cursor sobre os textos em azul abaixo para ler o trecho da Bíblia)


PRIMEIRA LEITURA (Sofonias 3,14-18): - "Solta gritos de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, ó Israel! Alegra-te e rejubila-te de todo o teu coração, filha de Jerusalém!"

SALMO RESPONSORIAL Is 12: - "Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!"

SEGUNDA LEITURA (Filipenses 4,4-7): - "Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo."

EVANGELHO (Lucas 3,10-18): - "Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem."



Homilia do Diácono José da Cruz — 3º Domingo do Advento — ANO C

"O SENHOR ESTÁ PRÓXIMO, ALEGRAI-VOS!"

Alegria parece ser a palavra de ordem na liturgia desse terceiro domingo do advento, sentimento que o profeta Sofonias passa a seus conterrâneos, em um tempo em que não havia motivos para o povo se alegrar, porque a devassidão moral andava a solta. A Boa Nova do Profeta não é dirigida aos poderosos, mas ao povo simples da terra, um pequeno resto que irá sobrar, após tantas tragédias que estavam porvir sobre a nação.

A gente olha para a realidade que nos cerca e percebe que, de fato  não há muito com o que se alegrar, pois a violência de todo tipo continua a avançar, dando-se a impressão de que nunca se acabará, entre os nossos governantes e legisladores a ética vai cada vez mais perdendo o seu espaço, corrupção e mentiras, falcatruas e impunidades, desigualdade social, carência na Educação, Saúde, agressão ao meio ambiente, em meio a tanto caos, o convite de São Paulo aos Filipenses “Alegrai-vos sempre no Senhor,eu repito, alegrai-vos!”... Parece não fazer sentido, alegrar-se com um Senhor, que não se importa com tantos males presentes na humanidade?

Pensar em um cristianismo mágico, que nos anestesia contra todos os males do mundo, fazendo-nos viver alienados das realidades humanas, a espera do tal “Dia do Senhor” anunciado pelo Profeta, parece que esse modo de pensar, ganha cada vez mais simpatizantes. Não importa essa vida, o que vale é a outra que ainda virá. Quem pensa assim, com certeza não vive, mas vegeta, uma vez que não encontra nenhum sentido naquilo que pensa ou faz, até a própria existência nada significa.

Somos hoje aquele povo de ontem, sonhando com melhorias na qualidade de vida, lutando para não perder o ânimo e a esperança, apesar de tudo... Acreditando que algo precisa ser mudado urgentemente, mas sempre se sentindo impotente diante desse grande desafio de mudar para melhor. João Batista anuncia algo novo que está para acontecer que irá estabelecer uma nova ordem política, social, econômica e até religiosa: está no meio do povo certo alguém, que fará a diferença, todos os que sonham com dias melhores, e que desejam mudar e reverter esse quadro deverão unir-se a Ele, o grande esperado, o Messias verdadeiramente.

Ora, um anúncio impactante como esse, provoca nas pessoas uma grande expectativa: o que devemos fazer? Será que está ao nosso alcance tomar uma atitude que signifique uma mudança? “Coitadinho de mim, como é que posso fazer algo que mude a política ou a economia, que possa melhorar á vida das pessoas, o que me compete fazer para mudar as coisas, inclusive na comunidade, pastoral ou movimento?

Por aquele tempo pensava-se que somente o tal do Messias, que estava para chegar, é que tinha poderes para operar as mudanças necessárias e desejadas pelo povo, em nossos tempos poderá também haver cristãos desinformados, que pensam dessa maneira. Entretanto o evangelho de hoje, eu até diria, de modo espetacular, anuncia que Deus vai intervir na história da humanidade, o Messias não vai vir para resolver todos os problemas do povo de Israel, melhor do que isso , ele virá para permanecer e caminhar com o seu povo, animando,encorajando, alimentando, essa Jerusalém desprezível aos olhos do mundo, formada por todos os homens de boa vontade, que percorrem sem medo o caminho do discipulado, é fraca apenas na aparência, porque no meio do seu povo, o Senhor caminha, abrindo caminho em meio a esse quadro caótico, anunciando a presença do seu Reino entre os homens.

Em alguma empreitada humana, de difícil realização, se temos ao nosso lado alguém forte, readquirimos a esperança perdida, redobramos o nosso ânimo abatido, é isso exatamente que acontece na vida do cristão. Mas qual seria o sinal de que o Senhor está conosco, e de que chegaremos vitoriosos ao final da nossa jornada? Exatamente a mudança nas relações, pautando-as pela justiça, lealdade, autenticidade, fraternidade e paz, isso não compete aos poderosos do mundo, mas a cada cristão em particular... Agindo assim, estaremos sinalizando a presença do Senhor entre nós, e ao mesmo tempo  contribuindo para que, aos poucos, o reino de Deus, a quem servimos, torne-se visível e presente cada vez mais em nosso meio. Mas se a nossa atitude ainda não é essa, na relação principalmente na comunidade, então,  em nossas celebrações falamos uma grande mentira quando respondemos ao Presidente da celebração, que “o Senhor está no meio de nós....”porque nossas comunidades devem ser,  por excelência o lugar da alegria, que vem do amor e da comunhão vivida entre os irmãos e irmãs; (III Domingo do Advento Lucas 3,10 – 18 )

José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail  jotacruz3051@gmail.com


Homilia do Padre Françoá Costa — 3º Domingo do Advento — ANO C

Gaudete!

Você conhece a lenda de Droselbat? Trata-se de uma lenda familiar ao mundo germânico. Depois que uma princesa rejeitara a proposta de casamento com um rei muito rico chamado Droselbat, caiu numa grande pobreza. A pobre princesa teve que abandonar o país e, enquanto cruzava os caminhos perguntava: “De quem é essa magnífica mansão?” “Pertence ao rei Droselbat” – respondiam-lhe. Ela, arrependida, dizia consigo: “Ah! Se eu me tivesse casado com Droselbat, este castelo seria meu… E aquelas videiras magníficas, de quem são?” “Do rei Droselbat”. “Ah! Se eu tivesse aceitado a sua proposta, possuiria esses campos tão férteis… E aquelas florestas intermináveis?” “Do rei Droselbat”. “Ah! Se eu tivesse pensado melhor.”

Há pessoas que vivem assim, mergulhadas na tristeza de um passado, pensando como seria o futuro e esquecendo-se do presente a aproveitar. Mas as coisas mudaram! Agora tudo aquilo que é do Rei é nosso. Não precisamos mais ficar lamentando-nos a vida inteira com essa espécie de complexo de Droselbat. Alegremo-nos! Por quê? Porque Deus virá ao nosso encontro. Esse é o motivo pelo qual a Igreja se alegra no dia de hoje: aproxima-se a nossa libertação!

Todos os homens são pecadores, todos os homens são mentirosos, todos os homens estão privados da glória de Deus! Isso é somente um resumo daquilo que São Paulo nos transmite nos primeiros capítulos da Carta aos Romanos (cf. 1-3). Daí a tristeza, o abismo, a escuridão. Como não alegrarmo-nos quando finalmente esse inverno de séculos deixa passo ao verão, à luz, ao Sol da Justiça que é o Senhor Jesus? Gaudete, alegrai-vos!

Há um outro domingo que também se chama domingo da alegria no curso do Ano Litúrgico da Igreja, é o quarto domingo da Quaresma, o Domingo laetare. Esse terceiro Domingo do Advento chama-se Domingo gaudete. A diferença entre os dois tipos de alegria é sutil, mas existe: a alegria da quaresma é uma alegria – por assim dizer – menos explosiva que a do Advento. Efetivamente, enquanto a alegria da Quaresma tem que passar necessariamente pelo drama da Paixão do Senhor e é, por tanto, uma alegria com uma profundidade de um peso incalculável, a alegria do Advento tem como motivo a vinda desse adorável Menino que nos leva a um gozo que chega até aos nossos sentidos e vai ao mais profundo da nossa existência. E tudo isso a causa da primeira Parusia que deixa as portas abertas à esperança da segunda, da vinda gloriosa que transfigurará os nossos corpos mortais.

Alegrai-vos! Faltam apenas 10 dias para o nascimento de Cristo!

O gozo é um dos frutos do Espírito Santo (cf. Gl 5,22), vem enumerado logo após a caridade e seguido pela paz. A alegria e o gozo são conseqüências do amor que Deus derramou nos nossos corações pela ação do Espírito Santo e nos leva necessariamente à paz. Antigamente, pedia-se sempre, antes de começar a missa o “gaudium cum pace”, o gozo e a paz, ao Senhor. Peçamos todos os dias: “Concede-nos Senhor a alegria e a paz!”

Para estar alegres é preciso rezar, nos diz S. Tiago: “Alguém entre vós está triste? Reze! Está alegre? Cante!” (5,13). Talvez seja exatamente esse o motivo dessa espécie de tristeza que quiçá, experimente o meu irmão em Cristo. Você não reza ou reza muito pouco? O inimigo das nossas almas tem um aliado, a tristeza, que nos afasta pouco a pouco de Deus. Somos filhos de Deus, esse único motivo basta para que estejamos sempre alegres e com um sorriso estampado no rosto, apesar dos pesares.

Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa - 13/12/2009


Comentário Exegético — 3º Domingo do Advento — ANO C
(Extraído do site Presbíteros - Elaborado pelo Pe. Ignácio, dos padres escolápios)

EPÍSTOLA Fp 4, 4-7

INTRODUÇÃO: O futuro é quase sempre sombrio, além de ser desconhecido. Podemos estar inquietos e preocupados. No mundo moderno dependemos do trabalho, das vicissitudes da economia e tudo parece instável ao nosso redor. As palavras do apóstolo nos invitam a uma esperança e alegria em Cristo. As palavras do Senhor, Não vos preocupeis por vossa vida, com o que comereis, nem com o vosso corpo, com o que vestireis (Mt 6, 25),parecem ter eco no trecho de hoje de Paulo. Num mundo tão pobre e necessitado como era o judeu da época, essas palavras pareciam  loucura. Num mundo como o atual, em que além da comida e do vestido, temos uma série de necessidades adquiridas, não inatas e que muitas vezes substituem estas últimas em prioridade, essas palavras não têm base alguma. Quem não conhece família ou sujeito que, por uma mesa no carnaval ou um dia de boda, gasta o que não pode? Os meninos pobres de nossas cidades têm mais presentes no Natal que os filhos de famílias que não se consideram abaixo dos limites da pobreza. Talvez seja tempo em que devamos pensar quais são as nossas verdadeiras necessidades e confiar mais em Deus, para alegrarmos no Senhor, como diz o apóstolo.

ALEGRAI-VOS: Alegrai-vos [chairete<5463>=gaudete] sempre no Senhor! De novo digo alegrai-vos! (4) Gaudete in Domino semper iterum dico gaudete. O verbo Chairö traduzo antigo Shamah <08055> que como em Êx 4, 14, ao falar a Moisés diz o Senhor: eis que Aarão teu irmão vendo-te se alegrará. O Chairö sai frequentemente nos evangelhos. Como exemplo Mt 2, 10: quando eles [os magos] viram o astro alegraram-se com grande júbilo. Lc 1, 14 cita o anjo que promete a Zacarias: Terás alegria e júbilo e muitos alegrar-se-ão no seu nascimento. A alegria dos discípulos quando sua tristeza se transforme em júbilo por causa da ressurreição, como promete Jesus no seu discurso na véspera de sua paixão (Jo 16, 20). Paulo usa frequentemente o verbo que sai 6 vezes nesta epístola (2, 17, 18 e 28; 3, 1; 4, 4 e 4, 10). Especialmente alegrai-vos no Senhor em 3, 1 frase que repetirá em 4, 4 e 4, 10. Um santo triste  é um triste santo – diz o provérbio. A presença do Senhor, como aconteceu com o Batista no ventre de Isabel, sempre é alegria para o coração (Lc 1, 14). E será esta presença permanente a que forma parte de nossa felicidade na vida eterna, onde entraremos no  gozo do Senhor (Mt 25, 21). Os filipenses deviam estar oprimidos por alguma tristeza, além  da ausência de Paulo, de modo que este repete sua exortação no mesmo versículo, como dizendo: verdadeiramente tendes o dever de alegrar-vos com esse gozo que somente o Senhor pode dar (Jo 16, 22 e 24).

A TEMPERANÇA: Vossa moderação [epieikes<1933>=modestia] seja conhecida [gnösthetö <1097> =nota sit] a todos os homens. O Senhor está próximo [eggus<1451>=prope] (5). Modestia vestra nota sit omnibus hominibus Dominus prope. MODERAÇÃO: Epieikës é um adjetivo que significa conveniente, adequado, equitativo, justo, bom, indulgente, moderado, amável, capaz, hábil. Com o artigo neutro TO se transforma em nome abstrato. A melhor escolha é amabilidade que a versão NSB traduz como gentle spirit, porque o nosso adjetivo usado, 5 vezes no NT, sempre tem a tradução de gentle. A TEB usa bondade e o latim moderatio, que podemos traduzir por sobriedade ou temperança. Num mundo em que as bebedeiras e orgias (Gl 5,21) eram coisas correntes, ver a moderação dos cristãos era fato notável para os que admitem deus venter est (Fp 3, 19). PRÓXIMO: O grego Eggus é advérbio, tanto temporal [iminente] quanto local [perto]. Evidentemente aqui temos que escolher a temporalidade. Logo é um futuro não distante ou remoto, mas, como quem diz que está às portas (Mt 24, 33). Assim Betânia estava perto de Jerusalém (Lc 19, 11) e quando da figueira brotam as folhas conhecereis que o verão está perto (Mt 24, 32). Que quer dizer Paulo quando afirma que o Senhor está próximo? Da interpretação de Mt 3, 2 deduzimos que já está atuando ou que essa sua manifestação, agora em oculto, em breve será realidade visível. Podemos comparar a frase o Senhor está próximo com a salvação está próxima de Rm 13, 11-14 em que Paulo insiste na ideia de que os cristãos não devem viver em comilanças, nem bebedeiras, nem licenciosidades, nem devassidões, como eram os banquetes noturnos entre gregos e romanos; mas viver conforme o dia [em que essas licenças não estavam permitidas] porque a noite está bem adiantada e assim sendo, revestidos do Senhor Jesus Cristo, não se abandonem às preocupações da carne e satisfaçam suas concupiscências. Neste sentido, a palavra inicial do versículo [ epieikës] teria a acepção de moderação.

AS PREOCUPAÇÕES: Não fiqueis preocupados [merimnate<3309>=solliciti sitis] por nada; mas em tudo, com a oração [proseuchë<4335>=oratione] e com o rogo [deësei<1162>=obsecratione], com ação de graças [eucharistias<2169>=gratiarum actione] as vossa petições [aitëmata<155>=petitiones] sejam conhecidas por (o) Deus (6). Nihil solliciti sitis sed in omni oratione et obsecratione cum gratiarum actione petitiones vestrae innotescant apud Deum. PREOCUPADOS: Merimnaö é o verboque tem como significado primário estar ansioso, preocupado com cuidados, cuidar de, ou pretender alguma coisa, inquietar-se, afligir-se, precaver-se, tomar providências. No texto hebraico do AT, temos daag<01672>que no Salmo 37, 19 é traduzido pelos Setenta como merimnëso uper tës amartias mou [suportarei tristeza sobre meu pecado] que a TEB traduz como me assusto com o meu pecado. No NT, Mt 6,25 fala de não se aborrecer na vida sobre a comida e a bebida, que continua em versículos seguintes no mesmo capítulo.  Jesus fala a Marta para não estar inquieta e se agitar por muitas coisas (Lc 10, 41). Não vos inquieteis sobre como ou o que dizer em defesa própria diante das autoridades, dirá Jesus em Lc 12, 11. Paulo em 1 Cor 7, 32-33 afirma que os celibatários se preocupam de como agradar ao Senhor, e pelo contrário, os casados devem estar solícitos com as coisas do mundo em como agradar suas esposas. Bastam estes exemplos para ter uma ideia do significado de nosso verbo. ORAÇÃO: Proseuchë <4335> é unicamente usado para o rogo dirigido a Deus (fizeste de uma casa de oração uma cova de ladrões; Mt 21, 13). Já apalavra Deësis <1162> tem o significado primário de indigência, penúria, privação. Daí a petição própria de um mendigo, a súplica, o rogo, especialmente quando é dirigido a Deus de modo especial. Uma outra palavra é AÇÃO DE GRAÇAS: A nova palavra é Eucharistia que sai pela primeira vez no texto grego de Sirac 37, 12: Não trates com o invejoso sobre a gratidão. A palavra só sai uma vez em Atos 24, 3 em boca de Paulo agradecendo a Félix e é frequente nas cartas de Paulo, como oração própria, correspondente a Deus que traduz o beraka dos judeus. Eis o comentário de um exegeta moderno: Bendito sejas, Deus do Universo por este pão e por este vinho fruto da terra da vide e do trabalho do homem….É uma bela síntese da celebração que chamamos em grego Eucharistia, em espanhol ação de graças e em hebraico berakah ou birkah. Das 13 vezes que Paulo usa a palavra, 11 é para indicar ação de graças a Deus. PETIÇÕES: Aitema com seu plural aitemata significa pedido, solicitação, demanda. Sai 3 vezes: Lc 23, 24:Pilatos pronunciou sentença para que sua demanda [a dos judeus] fosse satisfeita. Esta de hoje em que o NASB traduz como request[solicitação]. E com a mesma tradução inglesade request, temos 1 Jo 5, 15. CONHECIDAS: O Gnörizesthö tem como tradução levar ao conhecimento de Deus, quando é pros ton Theon. Paulo várias vezes fala de levar ao conhecimento dos seus ouvintes [gnörizö umin] (1 Cor 12, 3; 15, 1; 2 Cor 8, 1; 1 Gl 1, 11). Deus conhece nossas necessidades e não há mister de escutar rogos de nossa parte, mas somos nós os que necessitamos da oração que dispõe nosso coração para receber devidamente as graças divinas. Também podemos dizer que Paulo coloca Deus como testemunha verdadeira de nossas vidas, especialmente quando nelas intentamos seu louvor e glória como diz Paulo em Fp 1,11: Cheios de frutos de fazer o bem (Rm 2, 10) por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus. E quer comais quer bebais,o que quer que façais, fazei tudo para a glória de Deus (1 Cor 10, 31).

A PAZ: E a Paz de(o) Deus, a que ultrapassa [uperchousa<5242>=exsuperat] toda mente [noun<3563> = sensum] proteja [frourësei<5432>=custodiat] vossos corações e vossas inteligências [voëmata <3540> =intelligentias] em Cristo Jesus (7). Et pax Dei quae exsuperat omnem sensum custodiat corda vestra et intellegentias vestras in Christo Iesu. A PAZ: Eirënë<1515>é o estado de exceção da calamidade e da guerra, harmonia entre dois indivíduos, segurança, prosperidade, felicidade.Especialmente significa a paz messiânica, poeticamente descrita pelos profetas, que é a paz da reconciliação com Deus. No cristianismo, o estado da alma de estar segura de sua salvação por Cristo, ao não ter consciência de pecado, considerado como um dom ou bênção de Deus. Aqui é a paz de Cristo, a mesma que, ressuscitado, deu como presente aos seus apóstolos (Jo 20,19-20). É a paz de Deus (Rm 1, 7) que alcançamos por Cristo, pregado por meio do evangelho que Paulo denomina de evangelho de paz (Rm 10, 15), de modo a chamar Cristo de nossa paz (Ef 2, 14). É, pois, a reconciliação do homem com Deus por meio do sacrifício de Cristo Jesus. Nosso destino está nas mãos de um Pai que sempre perdoa quando nos arrependemos e a ele voltamos. ULTRAPASSA: Uperechö é sobressair, exceder, ser superior, melhor que ultrapassar. MENTE: O Noun grego é a faculdade intelectual, a razão em todos, suas acepções, como capacidade de perceber a verdade, de julgar. A diferença com Noëma, é que aquela é uma faculdade e esta uma atividade,um pensamento por vezes perverso. Às vezes pode também ser tomado como mente, e aqui parece ser este o sentido de modo a traduzir como inteligências. PROTEJA: Apalavra Froureö significa guardar, proteger militarmente. Exemplos: 2Cor 11,32: Em Damasco o rei Aretas mandava guardar a cidade para me prender. Gl 3, 23: Antes da chegada da fé estávamos mantidos em cativeiro sob a Lei. E em 1Pd 1,5:Vós que o poder de Deus guarda pela fé. Como podemos ver pelos textos é uma proteção sob a guarda da fé de nossas funções intelectuais. EM CRISTO JESUS: Esta é a base da fé e a base de nossa religião, segundo o que afirma Paulo: Ninguém pode lançar outro fundamento que não seja o já posto: Jesus  Cristo (1Cor 3, 11). Colocar um outro homem, o oprimido, o pobre, o necessitado como base do evangelho não tem sentido nem base bíblica se nele não vemos o Jesus necessitado que implora nosso amor e caridade e não a justiça ou o direito. Dificilmente esta atitude salvaria a rotundidade das palavras de Jesus: se alguém amar seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim (Mt 10, 37).

Evangelho - Lc 3, 10-18

AS MULTIDÕES: Então perguntavam as multidões dizendo: Que faremos, pois?(10). Et interrogabant eum turbae dicentes quid ergo faciemus. O grego usa a palavra ochlos <3793>, [latim turba], para distingui-la de  dëmos<1218>, [populus]. Demos denota um povo culto, cidadão e responsável. Ochlos era o termo geral em que entravam todos os homens e mulheres próprios de uma aglomeração indiscriminada. Como veremos, entravam toda classe de homens. Mulheres e escravos estavam por lei excluídos de deveres religiosos. Diante das proclamas do Batista e da sua exortação a produzir frutos dignos de arrependimento para fugir da ira do Senhor, é lógico que os ouvintes perguntassem que devemos fazer.

A RESPOSTA: Tendo, pois respondido, diz-lhes: Quem tem duas túnicas, reparta a quem não tem e quem tem alimentos faça semelhantemente (11). Respondens autem dicebat illis qui habet duas tunicas det non habenti et qui habet escas similiter faciat. Diante da ameaça de castigo [o machado já está posto à raiz das árvores] os ouvintes fazem três classes de perguntas, dependendo do tipo de indivíduos que as formulam: A pergunta de todos, os do povo comum; a pergunta dos publicanos ou coletores de impostos e a pergunta dos policiais. A todos responde o Batista em termos de justiça ou caridade. Vejamos a primeira. A TÚNICA: A palavra grega Chiton (tunica em latim), indica um vestido ao modo de uma camisola que chegava até o joelho ou um pouco mais curto. Era a roupa vestida sobre a carne, roupa de trabalho e se considerava desnudo aquele que se apresentasse com ela unicamente, como vemos em Pedro (Jo 21,7), que vestiu a blusa [ependites] para se apresentar a Jesus. Sobre a túnica vestia-se o Imation, vestido exterior e a Clâmide, o pallium latino, capa curta. Essa capa parecia ser um quadrado de pano com um buraco no meio para entrar a cabeça. Nenhum israelita podia entrar no templo sem vestir a capa. Esse foi o vestido que os jerosolimitanos estenderam ao passo de Jesus no Domingo que chamamos de ramos (Mt 21, 8). Paulo pede a Timóteo que lhe traga a capa [failones grego ou paenula latina] necessária na prisão para dormir nas noites frias (2 Tm 4,15). Algumas capas se transformavam em túnicas talares ou estolas. A Estola, o vestido talar próprio dos oficiais e das mulheres, que chegava até os calcanhares pois talares eram chamadas as asas de que estavam dotadas as sandálias de Mercúrio para melhor correr. Mercúrio era o deus grego do comércio e mensageiro dos outros deuses. Próprio dos judeus era o xale [talit] ou manto retangular com que cobriam a cabeça e até a metade superior do corpo para rezar, e que terminava nas listras negras ou azuis paralelas aos lados menores do retângulo e em faixas com borlas e fios [tzitzit] representando o número dos mandamentos da lei (613). A essas fímbrias alude Jesus em Mt 23,5. O Talit tinha um galão de ouro ou prata para segurá-lo no pescoço. O chiton era, pois, o mínimo vestido, e portanto, o vestido dos pobres, ao qual todo mundo tinha direito. BROMA: A palavra está no plural e significa alimento [alimentos]. Broma é termo geral para indicar comida, diferente de arton que significa pão. As palavras do Batista indicam, pois, uma obrigação de todo homem de cuidar dos mais pobres no que se refere às necessidades básicas.

OS PUBLICANOS: Vieram também publicanos para serem batizados e lhe disseram: Mestre, que faremos? (12). Venerunt autem et publicani ut baptizarentur et dixerunt ad illum magister quid faciemus. A palavra grega  telönës<5057>  composta de Telos [fim ou pedágio] e oneomai [comprar] é traduzida ao latim por publicanus. Como designação técnica, telones se refere ao encarregado de exigir o pagamento dos impostos indiretos, como tarifas alfandegárias, preços no varejo, comissões, aduanas. A arrecadação de impostos nas províncias romanas, ou submetidas à dominação do Império, dependiam em época anterior da societas publicanorum, um grupo de pessoas endinheiradas, pertencentes à classe equestre, que normalmente se aproveitavam dos recursos das respectivas províncias, acarretando inclusive sua ruína econômica. Porém Júlio César os privou dessa situação privilegiada. Parece que o sistema de arrecadação de impostos na Palestina, foi inaugurado no tempo da conquista do território por Pompeu no ano 63 aC. Porém no ano 47 dC o próprio César aboliu o sistema tributário na Palestina,  de modo que o ofício de arrecadador desapareceu por completo. Mais tarde, nas regiões sujeitas a um governador ou a um procurador,  [entre elas Judeia, Samaria e Idumeia] os impostos diretos –que afetavam à renda e ao patrimônio- se pagavam a demosiones [término não usado no NT] que em hebraico eram os gabba’im e eram pessoas que no exercício de seu cargo dependiam diretamente das forças romanas. Para o ofício de exigir o pagamento dos outros impostos, como alfandegários, do varejo e comissões, se organizava um leilão e o cargo era concedido ao melhor proponente, que se convertia em architelones ou coletor chefe.  Este tinha seus próprios agentes [telonei em grego e mokesim em hebraico] colocados pelo geral em escritórios locais chamados telonia (Lc 5, 27). Entre os romanos dessa época, existiam três diferentes degraus de publicanos: o mais elevado era os dos equites, Publicani propriamente ditos, que pagavam uma certa soma de dinheiro para depois se encarregar das taxas de uma determinada província. Geralmente moravam em Roma e deixavam a exação dos impostos aos Submagistri [architelones em grego] que se encarregavam de recolher as taxas em regiões particulares e moravam nas diversas províncias. Finalmente estavam os Portitores que eram os que realizavam o trabalho real de coletar os impostos nas bancas. Estes podiam ser de diferente cidadania da romana. Porém, na Galileia, tanto os arrecadadores de impostos como os coletores de tributos estavam mais livres do poder romano e era Antipas quem praticamente dirigia a administração. Por isso os arrecadadores de impostos eram os próprios judeus. Os que perguntaram ao Batista pertenciam sem dúvida a estes últimos. Tenhamos em conta que o Batista batizava em território de Antipas, no território de Enon, perto de Salim (Jo 3,23). Como o cargo era comprado por uma quantidade estipulada, os detentores do mesmo se ressarciam dos gastos, transformando  o sistema em um dos mais corruptos e abusivos da época. Deles, pensavam os contemporâneos como sendo gente próxima aos pecadores (Mt 9, 10), aqueles que não conheciam a lei, ou seja, não tinham em conta a mesma para sua vida no dia-a-dia (Jo 7, 49). Teócrito de Siracusa (300-275) dirá dos publicanos: A mais cruel das feras entre os animais do deserto, é o urso ou o leão; entre os animais da cidade, o publicano e o parasita. MESTRE: João recebe o título que geralmente os evangelistas guardam como próprio de Jesus. Didaskalos<1320> é um professor; porém na linguagem bíblica dos evangelhos, designa aquele que por seu carisma como instrutor das verdades da salvação reunia grandes massas que o ouviam como profeta de Deus. Especialmente o título se refere a Jesus. Os mestres da lei (Lc 2, 46) eram os rabinos, palavra que também se usa em referência a Jesus [rabi], especialmente por seus discípulos como Pedro e Judas, o traidor ( Mc 9, 5 e 15, 45). Lucas só emprega o grego didáskalos [magister, mestre], ou epistates [praeceptor, preceptor,chefe, o nosso doutor]. Também se usa o título de Kyrios [dominus, senhor]. O título é apropriado já que eles perguntam, como ouvintes, a quem pensam tem a resposta certa: que faremos ou em sentido mais abrangente, que devemos fazer para evitar o castigo iminente sobre os pecadores.

A RESPOSTA: Ele, portanto lhes disse: a ninguém mais do estabelecido para vós exijais (13). At ille dixit ad eos nihil amplius quam quod constitutum est vobis faciatis. Aparentemente um rabi judeu diria a eles: Não podeis seguir nesse ofício que é contrário à lei. Mas o Batista não era discípulo dos separados em sentido de escolhidos [perishim. ou fariseus] e buscava a justiça e não a Lei e sua interpretação enviesada. Os impostos e tributos são necessários. Somente o abuso é injusto. Existe sempre uma justa compensação pelo trabalho e uma injusta retribuição, produto de uma extorsão pelo mesmo. A lei, e não a avareza –produto da ambição-, a justiça, e não a arbitrariedade – uma sequência da força e do domínio-  devem ser as bases da ética nas relações públicas. Quem estiver dentro da lei, não terá defraudado nem o superior nem os súditos (Lc 19, 8), e não poderá ser recriminado pela própria consciência, que é a lei, o fiscal e o juiz dos atos internos de todo homem.

OS SOLDADOS: Perguntavam-lhe, pois, também os policiais dizendo: E nós que faremos? E disse-lhes: a ninguém maltrateis, e não denuncies falsamente e ficai contentes com o vosso soldo (14). Interrogabant autem eum et milites dicentes quid faciemus et nos et ait illis neminem concutiatis neque calumniam faciatis et contenti estote stipendiis vestris. A palavra própria para soldado é STRATIOTES, [miles em latim, soldado], e Lucas usa Stratiomenos [militans, combatente]. Como o nosso evangelista é tão cuidadoso nas palavras, podemos pensar que ele se referia a soldados recrutas, ou melhor, a soldados policiais. Como João batizava na Pereia, território de Herodes Antipas, eram provavelmente policiais que lhe perguntavam, como foram os que estavam com o tetrarca quando do julgamento de Jesus em que Lucas usa também a palavra stratiomenos, que o latim traduz por exercitus (23,11). Os evangelistas falam de stratiotes como sendo os soldados de Pilatos (Mc 15, 16) e stratiomenoi os guardas de um rei que quer punir os rebeldes (Mt 22,7) ou os guardas que o centurião mandou para salvar Paulo dos judeus revoltados (At 23,10). De fato, sabemos que não havia tropas romanas de ocupação, ou legionários, na Palestina, nem tropas auxiliares provenientes de outras partes do Império. Trata-se sem dúvida, de judeus a serviço de Herodes Antipas, que,  segundo Flávio, tinha suas próprias tropas. Os judeus residentes na Palestina estavam isentos do serviço militar no exército romano desde os tempos de Júlio César. Porém não faltavam judeus que se enrolavam como mercenários. Esses policiais não deviam praticar violência [diaseio, latim concutere], agitar violentamente, extorquir (tirar com ameaças ou violência, tortura talvez e sua condenação?). Tampouco deviam acusar falsamente. O verbo grego SYCOFANTEOtem um significado particular. Sicofante era em Atenas a pessoa que delatava os contrabandistas de figos para fora da península Ática onde estava situada Atenas, uma cidade de 10 mil habitantes. A palavra se deriva de Sycon (=figo) e Fantes de faneo (=o que mostra ou descobre, daí a palavra fantasma). Parece que extorquiam dinheiro daqueles que não desejavam ser denunciados. Na antiga Grécia, a formação do direito e a organização do estado eram deficientes. Não existiam fiscais, de modo que qualquer cidadão podia acusar um outro diante da Eklesia ou Assembleia do Povo. A muitos lhes agradava essa função e a exerciam regularmente e com certo prazer. Eram os sicofantes, acusadores ou delatores, que cumpriam uma função social, mais tarde substituída pela fiscalização do Estado. Sicofantes foram os que delataram Sócrates de impiedade por não acreditar nos deuses do Olimpo, acusação que o levou a ser condenado à morte mediante a bebida do veneno da cicuta, extraído da planta do mesmo nome. Sycon tinha um significado um tanto obsceno também, e se referia ao gesto de chupar o polegar introduzido na boca, gesto que os sicofantes acostumavam fazer para indicar a culpabilidade de um delinquente. Em tempos de Aristófanes (+386 aC) que satirizava em suas comédias aspectos da vida ateniense, o nome significou um maldoso acusador por amor ao lucro. Oqwnion <3800>[opsönion, stipendium latino] era propriamente a ração diária do soldado, o rancho, que mais tarde se transformou na soldada ou soldo do mesmo. O conselho de João é que não violentem nem exijam dinheiro de corrupção e se contentem com a sua paga. Parecem sentenças que podem perfeitamente ser interpoladas em nossos dias.

OPINIÃO DO POVO: Mas estando expectante o povo e considerando todos em suas mentes sobre João se  não fosse o Cristo (15). Existimante autem populo et cogitantibus omnibus in cordibus suis de Iohanne ne forte ipse esset Christus. A pregação do Batista era a de um simples reformador de costumes ou era a de um arauto de alguém superior que todos esperavam na época? Porque o anúncio escatológico estava unido a um discurso parenético [de exortação] de ordem moralizante, como preparação para um próximo dia de Javé. A figura de João sobressaí na mediocridade dos contemporâneos, que só se preocupavam com o dia-a-dia, sem outras miras além do próprio bem-estar. Alguém que não comia nem bebia (Mt 11, 18) e cuja vida era austera em extremo, chamava a atenção. Seus discípulos eram numerosos. Sua influência chegava a perturbar o próprio tetrarca que determinou calar a voz externa, embora não pudesse silenciar a interna de sua consciência. Daí a pergunta geral: será ele o Ungido? O Christós<5574>, [Christus, Cristo] é o grego correspondente a Mashiyah <0489>  de Dn 9, 25 o Ungido Governante, que é uma continuação da antiga realeza, instituída por Samuel como profeta de Deus (I Sm 8, 22), ungindo os dois primeiros reis, Saul  (I Sm 10, 1) e Davi (I Sm 16, 12-13). Os israelitas, no tempo de Jesus, esperavam um Ungido, força [chifre] de salvação dentre a casa de Davi (Lc 1, 69), enviado por Deus para restaurar Israel e manifestar a soberania de Deus para poder servi-lo com santidade e justiça, como cantava Zacarias  (Lc 1, 71-73) ou como disse Simeão a tua salvação  preparada como luz para iluminar as nações e glória de Israel (Lc 2, 31-32). Desde o oráculo do profeta Natã a minha misericórdia não se afastará dele [Davi] como a retirei de Saul (2 Sm 7, 15) [o magnificat se torna eco destas palavras (Lc 1, 34-35)], ou denotam as últimas palavras de Davi: Minha casa é estável junto a Deus, porque fez comigo um pacto eterno (2 Sm 23, 5), todos acreditavam que o Messias seria descendente do Rei-Profeta. E como diz Jeremias servirão a Javé, seu Deus e a Davi, seu rei, que suscitarei para eles (Jr 30, 9). Logicamente este Davi não é o Davi histórico, mas alguém de sua estirpe que ocupará seu trono e se comportará como um novo Davi : farei brotar a Davi um renovo de justiça; ele executará justiça e justiça na terra (Jr 33, 15). Porém o título de Messias não é dado a este novo rei e somente temos dois casos no AT com esse título: Ciro, rei da Pérsia (Is 45, 1) e o povo de Israel (Hab 3, 13). Após a volta do exílio, será em Daniel 9, 25 onde encontramos a palavra mashiya e nos apócrifos pouco antes do nascimento do cristianismo onde vemos a expectativa de vários messias. Por isso, entre as negativas do Batista temos, além de não ser o Messias, a de não ser nem Elias, nem o Profeta (Jo 1, 20-21).

O BATISMO: Respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, em água vos batizo; mas vem quem é mais forte do que eu, do qual não sou digno de desatar as correias de suas sandálias. Ele vos batizará em Espírito Sagrado e fogo (16). Respondit Iohannes dicens omnibus ego quidem aqua baptizo vos venit autem fortior me cuius non sum dignus solvere corrigiam calciamentorum eius ipse vos baptizabit in Spiritu Sancto et igni. No grego clássico havia dois verbos para indicar um mergulho em água: Bapto<911> e Baptizo <907>. O médico Lisander que viveu perto do ano 200 aC, os distingue perfeitamente: para fazer picles deve primeiro mergulhar [bapto] o vegetal em água fervente e depois submergi-lo [baptizo] em vinagre. O primeiro caso significa uma ação pontual e o segundo uma ação permanente. No evangelho de João, Jesus molha o pão [bapso] e o entrega a Judas (Jo 13, 25). Também será o verbo usado pelo rico para pedir a Abraão que molhe a ponta do dedo na água e assim refrigere sua língua (Lc 16, 24). Nas outras circunstâncias usa-se o verbo baptizo: mais do que um mergulho é uma imersão total e definitiva. Desse modo, o batismo não deve ser um ato casual, mas um processo permanente. É uma conversão e, portanto, significa uma mudança continuada. Temos visto a mudança que João exige do povo comum, dos coletores de taxas e dos policiais. Isso entre os judeus. Para os gentios é só abrir as páginas de Paulo aos romanos em 1, 25-31 para ver em que devia consistir a methanoia entre eles. O batismo, segundo Paulo, é para se despojar do velho homem, corrompido com concupiscências enganosas, para se vestir do homem novo, criado segundo Deus em justiça e retidão, procedentes da verdade (Ef 4,22-24). Os Kikos ou neocatecumenais, têm um rito que para eles é uma memória permanente do batismo feito na infância: nas próprias águas do rio Jordão eles, vestidos de branco, submergem-se para sair como homens novos que dizia Paulo. Batizar na água era, na realidade, um ato de lavagem externa. Por isso, João espera aquele que realizará um batismo muito mais profundo, interno, que purifica como o fogo e transforma o espírito em espírito consagrado a Deus. AS SANDÁLIAS: O hypodema grego (atado em baixo literalmente; em latim calceamentum) indica qualquer tipo de calçado, especialmente uma sola de couro, casca de palmeira ou caniço, na planta dos pés que era depois atada com correias de couro (o imas grego, em latim corrigia). Esse calçado era usado para as viagens ou trabalho na lavoura da terra. Era próprio da mulher ou do escravo mais humilde receber o dono após voltar de uma viagem, desatar os cordéis das sandálias e lavar seus pés. Esta lavagem se fazia sempre que um hóspede entrava numa casa para um banquete (Gn 18,4 e Lc 7,38). Jesus lavou os pés dos discípulos antes da última ceia (Jo 13, 5). Na Igreja primitiva, as viúvas lavavam os pés dos santos (=cristãos) (1 Tm 5, 10). Compreende-se o costume pela razão de que os comensais se deitavam praticamente no chão sobre travesseiros para os banquetes, entre os quais devemos incluir a Ceia do Senhor (1 Cor 11,20). O Batista se rebaixa até dizer que, como servo, nem é digno de fazer o que o último dos tais faria a seu senhor. Mateus dirá levar as sandálias, como parece era costume do escravo apresentá-las antes de as vestir o amo.  BATISMO DO MESSIAS: Era um batismo “em espírito de santidade e em fogo”. A tradução com espírito e fogo não respeita a ideia grega original. Ou seja: um mergulho no espírito divino em que os profetas e os homens santos escolhidos por Deus estavam habitualmente imersos, ao mesmo tempo que uma simbólica purificação pelo fogo, ou seja, a máxima pureza que um metal podia obter através de métodos de limpeza de escórias e contaminações. Logicamente o Batista não conhecia a ação do Espírito como terceira pessoa da Trindade; mas nós temos textos de Qumrã que ele podia conhecer e que dizem: “Então (quando aparecer para sempre a verdade sobre a terra) Jahvé purificará em sua verdade todas as ações do homem e depurará (por meio do fogo) para si, o corpo de cada um; a fim de eliminar todo espírito de iniquidade de sua carne e limpá-lo pelo espírito de santidade de todos os atos de impiedade. E ele derramará sobre o homem o espírito de verdade como água lustral”(água obtida pela imersão de um tição aceso trazido do altar dos sacrifícios). No AT existiam várias lavagens com água que se consideravam ritos, e numa delas misturavam-se cinzas do sacrifício como é o caso da novilha vermelha para água purificadora da oferta pelo pecado (Nm 19, 9), o chamado Korban para Aduma (sacrifício da vaca vermelha) em que se prescreve a Juka (estatuto) da Torah (lei) como uma coisa especial, embora não se saiba o porquê de uma vaca vermelha. Talvez por representar a cor do sangue da menstruação feminina que constituía com a morte, a principal causa de impureza. O fogo era também instrumento de purificação (Nm 31,23). O mensageiro do Senhor purificará como o fogo do ourives e a potassa dos lavandeiros. Purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata (Ml 3, 2-3). Qual acrisolador te estabelecerei entre o meu povo…em vão continua o depurador porque os iníquos não são separados (Jr 6, 27-29). Com estes textos do AT podemos deduzir, sem dúvida, que o batismo ao qual se referia João era um batismo de purificação. O dele era em água lustral para preparar o batismo mais completo do Messias, que apresentava duas partes diferentes: 1a). A parte principal era o espírito novo a receber os que se submergiam no novo batismo de verdade e santidade. 2a) Ao mesmo tempo, pelo batismo em fogo referia-se João a esse sinal de contradição (Lc 2, 34) que foi a vinda do Messias, e que imediatamente expressará com o símbolo da pá para separar bons e maus. É o batismo na ira divina. Por isso, no início clamará: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura? (Mt 3, 7). O Batismo do Messias era, pois, a) uma imersão no espírito divino da santidade e da verdade para quem estivesse preparado pela mente da conversão, ou b) no fogo destruidor para quem não tivesse preparado o caminho da verdade e santidade, que não se admite sem uma pureza de mente e limpeza de sentimentos. A alusão ao Batismo sacramento é como diz um autor, um estágio tardio (o 3o) da tradição, uma vez sabida a força do Espírito Santo em Pentecostes. A PÁ: Ptuon em grego e ventilabrum em latim, era a forquilha ou pá para lançar ao vento o trigo, misturado com a palha após a trilha, para que o vento separasse a ambos. O Batista com esta figura indica como o Messias separará o trigo bom da palha inútil, num julgamento em que os culpados escolherão seu lado, e os justos o lado correto da sentença, como ocorre em toda vida humana diante do mistério de Cristo. Os bons irão para o celeiro e os maus para o fogo inextinguível, único destino da palha que não serve para outra coisa.

PISTAS:

1)Temos ouvido falar muito de opção preferencial pelos pobres, ou se se prefere de amor preferencial. Porém existe uma opção essencial, muitas vezes esquecida: é a opção pelo bem (Pai), pela verdade (Filho ) e pelo amor (Espírito), para formarmos parte da família divina que será a próxima e última morada definitiva dos que querem viver conforme a essa vontade livremente determinada, em contraposição aos que chamamos condenados e que melhor podemos designar como obstinados no mal, na mentira e na violência do ódio.

2) Por isso, é necessário uma conversão, que é essa opção primária como temos definido. Sem ela, o mal toma posse do homem que se torna escravo do pecado, como afirma Paulo em Rm 6, 6, obedecendo-o para a morte (6,16).

3)Caso pareça difícil a conversão, temos dois meios para superar essa difícil situação sentimental: A oração. Agostinho diz: faz o que pode e pede o que não pode. A oração do publicano [tem piedade de mim pecador], é uma oração salvífica. O segundo meio é a esmola que, livra da morte e impede que se vá para as trevas e purifica de todo pecado (Tb 4, 10 e 12,9).

4) A verdadeira conversão é a que tem como resultado o perdão do inimigo e o abraço ao antagonista. Então encontramos dentro de nós o Espírito de Deus como forma de nosso espírito. A reconciliação, cujo fruto é a paz, constitui o maior trunfo da mensagem evangélica.


EXCURSUS: NORMAS DA INTERPRETAÇÃO EVANGÉLICA

- A interpretação deve ser fácil, tirada do que é o evangelho: boa nova.

- Os evangelhos são uma condescendência, um beneplácito, uma gratuidade, um amor misericordioso de Deus para com os homens. Presença amorosa e gratuita de Deus na vida humana.
- Jesus é a face do Deus misericordioso que busca o pecador, que o acolhe e que não se importa com a moralidade ou com a ética humana, mas quer mostrar sua condescendência e beneplácito, como os anjos cantavam e os pastores ouviram no dia de natal: é o Deus da eudokias, dos homens a quem ele quer bem e quer salvar, porque os ama.

Interpretação errada do evangelho:

- Um chamado à ética e à moral em que se pede ao homem mais que uma predisposição, uma série de qualidades para poder ser amado por Deus.
- Só os bons se salvam. Como se Deus não pudesse salvar a quem quiser (Fará destas pedras filhos de Abraão).

Consequências:

- O evangelho é um apelo para que o homem descubra a face misericordiosa de Deus [=Cristo] e se entregue de um modo confiante e total nos braços do Pai como filho que é amado.
- O olhar com a lente da ética, transforma o homem num escravo ou jornaleiro:aquele age pelo temor, este pelo prêmio.
- O olhar com a lente da misericórdia, transforma o homem num filho que atua pelo amor.
- O pai ama o filho independentemente deste se mostrar bom ou mau. Só porque ele é seu filho e deve amá-lo e cuidar dele.
- Só através desta ótica ou lente é que encontraremos nos evangelhos a mensagem do Pai e com ela a alegria da boa nova e a esperança de um feliz encontro definitivo. Porque sabemos que estamos na mira de um Pai que nos ama de modo infinito por cima de qualquer fragilidade humana.


FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...
AJUDE-NOS A CONTINUAR NOSSA OBRA EVANGELIZADORA!
A Comunidade NPDBRASIL precisa de você!
Clique aqui e saiba como fazer...






CAMPANHA DA VELA VIRTUAL DO SANTUÁRIO DE APARECIDA


CLIQUE AQUI, acenda uma vela virtual, faça seu pedido e agradecimento a Nossa Senhora Aparecida pela sagrada intercessão em nossas vidas!



QUE DEUS ABENÇOE A TODOS NÓS!

Oh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno,
levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente
as que mais precisarem!

Graças e louvores se dê a todo momento:
ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento!

Mensagem:
"O Senhor é meu pastor, nada me faltará!"
"O bem mais precioso que temos é o dia de hoje! Este é o dia que nos fez o Senhor Deus!  Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!".

( Salmos )

.
ARTE E CULTURA
RELIGIÃO CATÓLICA
Ajuda à Catequese
EVANGELHO DO DIA
ANO DA EUCARISTIA
AMIGOS NPDBRASIL
COM MEUS BOTÕES
LIÇÕES DE VIDA
Boletim Pe. Pelágio
À Nossa Senhora
Orações Clássicas
Consagrações
O Santo Rosário
Devoção aos Santos
Fundamentos da Fé
A Bíblia Comentada
Os Sacramentos
O Pecado e a Fé
Os Dez Mandamentos
A Oração do Cristão
A Igreja e sua missão
Os Doze Apóstolos
A Missa Comentada
Homilias e Sermões
Roteiro Homilético
Calendário Litúrgico
O ANO LITÚRGICO
Padre Marcelo Rossi
Terço Bizantino
Santuário Terço Bizantino
Santuario Theotókos
Mensagens de Fé
Fotos Inspiradoras
Bate-Papo NPD
Recomende o site
Envie para amigos
 
Espaço Aberto
 
MAPA DO SITE
Fale conosco
Enviar e-mail
Encerra Visita
 

 


Voltar

 


Imprimir

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...


Voltar
Página Inicial |Arte e Cultura | Literatura | BOLETIM MENSAL

Parceiros | Política de Privacidade | Contato | Mapa do Site
VOLTA AO TOPO DA PÁGINA...
Design DERMEVAL NEVES - © 2003 npdbrasil.com.br - Todos os direitos reservados.